Diário de bordo


Tenho viajado bastante pela região conhecida como o Semi-árido da Bahia, destacado e conhecido por ser uma região seca, pobre e de meio mundo de analfabetos...Eu me refiro assim, porque um dia pensei de tal forma, na minha ignorância, acreditava que tudo o que os moradores dessa região faziam era plantar, esperar pela chuva, chorar e migrar para a cidade grande(quem tinha coragem para isso).

Hoje já não posso pensar assim, pois conheci a verdadeira face do povo sertanejo hospitaleiro, trabalhador e festeiro, que têm lutado por novas formas e técnicas de convivência com o Semi-árido, sua valorização e acabar com o mito do combate a seca. A seca jamais acabará, isso é um fator natural!Sem contar que descobri que o Semi-árido brasileiro está entre os outros no mundo como o que possui maior incidência de chuvas.Outra coisa que me chama atenção é para as tantas coisas que para nós moradores da cidade grande são simples e banais, como por exemplo, uma simples chuva( o ouro do Sertão), um transporte regular, uma rua asfaltada e tantas outras outras coisas, seriam de grande valia para estes sertanejos.

E se tem mais alguma coisa que aprendi, é que não devemos ter pena deles, pois é um povo forte e acima de tudo feliz, possuidor de uma rica cultura que primam por preservar, sobretudo, dotados de uma inteligência tal qual nunca vi e infelizmente não se ensina nas escolas nem nas universidades mundo afora. Esse povo retira da vivência experiências e conhecimento incomuns, únicos.Descobri artistas, contadores de histórias, autodidatas, cantores, e tanto mais. Aprendi a olhar para o Sertão com outros olhos, aprendi a ter respeito, aprendi a ter amor e sobretudo a vontade de ver o povo que ali vive, tendo uma melhor qualidade de vida, aprendendo cada vez mais a valorizar a sua cultura e sua região, que possa estar sempre sendo capacitado, tendo acesso a uma água de qualidade( com o programa P1MC), controle da taxa de natalidade, saúde básica, incentivos governamentais na agricultura, organização comunitária e ampliação dos sindicatos.

É sempre bom obter novas informações, conhecer novas culturas, costumes alimentares diferentes( e deliciosos, diga-se de passagem), uma nova ciência, a ciência da vivência.E eu só tenho a agradecer por esta oportunidade única e enriquecedora, que abraçarei com unhas e dentes, na luta por um sertão justo, na luta para que as pessoas olhem para o sertão com outros olhos, menos desarmados e mais curiosos.
Ana Paula Duarte.

Comentários

R.Vinicius disse…
Não sei, mas sinto que aos poucos tens se encontrado no lado sociológico; eu acredito que tens a sua cara. Conhecer essas culturas tão próximas e distantes do nosso meio é amplicar não somente o conhecimento, mas também a intimidade com o ser humano. Sei que és grande na tua pequenez e isso tem crescido com o tempo.

Abraço,

R.Vinicius
cleyton disse…
ta mui loco aninha!!! parabens de novo!!!!!
brasilzão eh terra de gente bruta mermo batalhadora q naum abaixa a cabeça pra ninguem!!!!
bjaum!!!
wagner442 disse…
Minha cara, fico feliz por um lado vc ter essa oportunidade de conhecer vidas tão simples, porém ricas de espírito e dignidade, e só fico triste por, de certa forma, ter demorado tanto. Confesso que adoro esse povo sertanejo, seus costumes, seu jeito de tratar as pessoas, carisma, vergonha, timidez e alegria. Lá eles te dão bom dia, tarde e noite. Eles te dão um copo d´água, mesmo que só tenham uma garrafa cheia. Chamem-nos de "Seu Zé ou Dona Maria" que eles atendem com a maior atenção do mundo. São pessoas espetaculares que ainda guardam a essência da naturalidade humana, o respeito e compaixão.
Viva o povo brasileiro, na sua essência.
Gustavo Neto disse…
É marcante sua intenção pelo social, pelo humano, pela igualdade. São tipos como vc que fazem agente ter coragem pra continuar!

Seu povo sertanejo, assim como o meu, tem na humildade e simplicidade a chave para a esperança de dias melhores.

nos cabe conhecê-los e defender nossa cultura original.

bjo Ana!
Gilbamar disse…
Seu blog foi para mim uma grande descoberta, por sua sensibilidade social, por seu carinho pelo povo que carrega a vida nos ombros.

Também sou aí do Nordeste, apenas estou passeando por Curitiba e devo retornar no dia 15/12, se Deus quiser. Aproveito para agradecer sua visita e dizer que estarei linkando vc e sendo seu seguidor. Será um prazer vê-la novamente caminhando no espaço virtual do meu blog.

Grande abraço fraterno e amigo.
Nilson disse…
Ana.....hoje te procurei pra dizer simplesmente q......
Amigo é aquela pessoa com quem conversamos sem reserva, independente da hora, ela sabe oferecer o aconchego do seu coração sem pedir nada em troca, e quando ela precisa sabe que pode fazer o mesmo sem objeção, não importa o tempo e nem a distante. Amizade é irmã do amor e não tem cara, tem reciprocidade, afetividade, respeito, carinho, confiança e alegria. Não existe escola para formação de amigos, elas por si já nascem aptas, por isto não impomos regras dentro de uma amizade, elas se compatibilizam sem invasões, unindo aos verdadeiros amigos, sem maldades, sem segredos, sem interesses, a felicidade de uma, é a felicidade da outra. No fundo sabemos q não importa se o relacionamento é de 1, 5, 10, 20 anos ou de uns poucos dias, Por isso posso dizer q vc é minha amiga!
Minha dádiva! – AdoRo v O c Ê ! ! ! Bjus
tossan disse…
Heróis não são jogadores de futebol, político, Madonas do rock etc...são estes nordestinos que estão lá e vc sabe como, fazendo as suas vidas do jeito mais difícil. Vc viu, vc sabe. Bj
Como é bom fugir ao nosso mundo não é?! Possibilitá-lo nos mostrar o que os pré-conceitos e estereótipos insistem em nos cegar. Deve ser uma experiência e tanto msm. Aproveite!

Bjs!
ghost disse…
É sempre bo fugirmod um pouco do nosso mundo e procurar e curtir outras culturas totalmentes diferentes da nossa!!acho q so tem a nos acrescentar!
belo blog ^^
Bela postagem amiga.

Obrigada pela visita.

beijooo.
O povo sertanejo sempre carregou um estigma por ser de onde é. A mídia creio que em partes não colaborou para tirar deles a imagem de pobrezinhos, em novelas, filmes e afins, sempre é mostrada a parte "chucra" do povo do semi-árido.
é um povo esperançoso, realmente feliz e muito acolhedor, são capazes de te dar a roupa do corpo caso você precise, são unidos.
Ao contrário aqui de sp (capital), que somos individualistas, recamamos por tudo e tbm de todos.
Dizem que o melhor do Brasil é o povo brasileiro, depende de que povo né rs.
Um beijo.
Bandys disse…
Ana,
Lindo.Amei o texto.
Até porque me identifiquei...Faço um trabalho em Minas Gerais onde onibus é so uma vez na semana, tem um orelhão quebrado, diferente da seca, as chuvas castigam...e o povo é guerreiro,verdadeiros heróis.
Muito bacana. Parabéns!!

beijos
Ps>Obrigado pelos elogios la no esconderijo...
O Profeta disse…
Cheguei a meio de um longo inverno
Não tenho no céu uma estrela guia
Uma sombra às vezes procura a luz
O Sol recolhe a claridade ao fim do dia

Na noite
Oiço as vozes dos filhos da Terra
O cantar das águas de uma lagoa
O murmúrio das pedras em suave espera


Boa semana


Mágico beijo
ChulapA disse…
eh verdade
so mesmo indo pessoalmente pra sentir na pele,
eu conheci uma regiao de PE que era muito parecida com a que vc descreveu...
bjos
Daniel Savio disse…
Interessante o seu relato sobre o semi arido, é claro que o pessoal conhece a cultura do repentistas, mas os detalhes da vida de um nordestino, não conhecemos nada...

E faça uma boa viagem menina.

Fica com Deus, menina.
Um abraço.
Cadinho RoCo disse…
No convívio humano, qusndo estabelecemos contato pessoal a situação muda um bocado.
Cadinho RoCo
juca disse…
As vezes eu falo, que atitudes valem mais que palavras, e olhando tudo isso vejo que realmente eu estou certo em dizer, que você tem uma grande visão cultural. Gostei muito, muito bom mesmo. Beijão.
Boa tarde amiga.

Obrigada pela visita.

beijooo.
Da próxima vez me leva Anaaaa! Tô fascinada aki...

ahhhh tb querOOOOOOOO!

;)
Ruan Personal disse…
Aninha, ta showww.. adorei, os textos sao otimos. Vai q vc alcança!!
Bjaooo

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!