Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

O rasta e a bailarina

Imagem
Ele, tinha em suas mãos o tamboril
Rústico, prudente para o momento
Usava chapéu semelhante d'um duende- vermelho
Que escondia parte do seu cabelo rastafari.

Ela, seminua
Bailava loura e fantasticamente definida
Pernas longas torneadas
Barriga lisa, ela girava.

A loira gringa, cara de alemã
O rasta negro, a cara do Vale cravado entre as montanhas.
Um encontro mágico: abrasileirado.
Louvavam os deuses da Natureza plena.

Ele tocava, ela sambava
Ele  fumava, ela tragava.
Ele com seu tambor evocava os Orixás
Ela com sua dança encantava os Orixás.

Ela tocava bailando.
Na cachoeira a água fazia seu som
Na plateia transeuntes catalisados
Pela singeleza do momento

O rasta e a bailarina
E os ritos, e o tambor, e as palmas, e as mãos na água.
O bailar místico do culto às divindades.
Vi semideuses em arte.




                                                        Foto: Ana Paula Duarte


Ana Paula Duarte. Inspirada em fato real.



Novidades para 2014!

Imagem
Imagem do Google

Eu só queria avisar que a Ana que você amou um dia
já não vive mais aqui...
Perdeu-se nalgum lugar
 Morreu-se por aí.
E já não consegue se compactar e nem aceita se anular
Cansou-se de ideias amenas
 Já não se alimenta de expectativas vãs ou retalhos com remendos.
São cacos quebradiços, mil pedaços que já não se juntam.
Quero a novidade da vida.
 Quero chuva, sol, calor, frio em presença
 Quero firmeza de decisões e leveza nas relações
Eu não quero esperar regressos 
Cartas, 
Mensagens.
Eu não devo abrir mão do meu mundo só para amar quem não me amou com coragem.
Eu conheço a dor da saudade
Eu conheço a raiva de quem sempre espera
Eu conheço a desesperança de quem amou
E eu conheço a força do amor-próprio.
E se me cansei de chorar pitangas
 E se me fatiguei de rimas e prantos,
Hoje me reinvento numa fuga de teu amor
Brotou uma esperança
De dias mais azuis e de menos saudade,
Descrédito naquele amor- tudo.
Tudo- nada
E agora que é tudo ou nada,
O nada me preenche em plenitude
Porque é vazio
Vou en…