Postagens

Mostrando postagens de 2015

Das elucubrações de fim de tarde numa segunda feira

Eu não entendo como a vida cristã tem se tornado cada dia mais pesarosa...                 Cadê a leveza? O refrigério, a revigorança e a renovação de cada manhã?                  Estamos cada vez mais amargurados e amarguradas, cheios de normas, regras, linhas de fronteira entre o "certo" e o "errado". Nosso gatilho (os dedos) são hábeis em apontar para as pessoas e lhes sentenciar, julgar, acusar e colocar num lugar de perdição (que é sempre o inferno).                 E a cegueira fundamentalista é tanta, que acabamos por perder a admiração de pessoas importantes, tornando as relações insuportáveis. Nós e nossa intransigência, nossa ideia desfigurada, nosso maniqueísmo, hasteando a bandeira da verdade absoluta. Pondo a bíblia do lado esquerdo do braço e com um coração vazio de amor, cheio de amargura, proliferando rancores e repressões. Evitamos o livre pensar porque o tornamos um ato pecaminoso (e eu me pergunto por que bulhufas temos cérebro), mas…

"Que tempos são esses que temos que defender o óbvio"

Imagem
Entre as milhares de ebulições, revoluções e coisas que tenho vivido (e muitas delas silenciado), uma das coisas que mais incomodou este meu silêncio da palavra escrita, foi a polêmica que envolveu a blogueira Gabriela Pugliese, sobretudo para mim, o que mais incomodou foi a sua resposta.      Vivemos tempos difíceis. Mesmo! Tempos em que somos ameaçados por monstros, fantasmas ideológicos, por mentiras que incitam pânico e terror, tudo isso de forma muito bem arquitetada e intencional. As pobres pessoas do mundo sofrem com a ditadura da minoria feminista, gay, ateia, esquerdista, negra, entre tantas...E agora, também há a ditadura gorda. Me façam uma garapa bem caprichada, por favor!      Tem horas que eu peço pra ficar burra e aguentar. Ser alienada pra aturar as coisas que tenho ouvido e lido por aí. Pois bem, a Pugliese, em sua justificativa para seus mais de 500 mil seguidores, desde que suas conversas com amigas nas quais ela deixa claro que mandaria nudes caso elas não c…

Equidade, gênero e PME’s

Ana Paula Mendes Duarte[1]
Nas discussões sobre os processos de educação que pairam no Congresso Nacional desde 2013, acerca do Plano Nacional de Educação- PNE, dos 26 deputados que votaram na Comissão Especial da Câmara dos Deputados no final de 2014 e início de 2015, 15 votaram a favor da retirada da questão de gênero no artigo 2º, e 11 votaram contra. Nisto, a questão foi retirada do texto final, o que configura um grave retrocesso na educação brasileira, que desde 2010 já tentava adicionar a questão de gênero no PNE, para que o mesmo fosse mais um instrumento em defesa da superação das desigualdades no país e que fosse o mais democrático possível, assumindo caráter laico, ético, democrático e inclusivo.
A celeuma foi fomentada pelos representantes que fazem parte da chamada bancada evangélica e religiosos ( de alguns segmentos neopentecostais e setores da Igreja Católicos conservadores e fundamentalistas) que usaram como argumento de que havia a tentativa de colocar a “ideologia de …

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Imagem
Pintura do artista Edvard Munch. Imagem do Google.
Eu grito
Que é pra não conter a dor
Eu grito
Que é pra demarcar o território
E grito
Porque não respeito quem sussura
Grito
Pra bagunçar, ameaçar, surdar
Grito na multidão
Precisava ser vista
Mas agora só resta a solidão
Estou rouca
E sem voz eu grito
Ninguém mais me ouve
Ninguém mais me vê
Eu já não tenho forças nas entranhas
A dor silencia o meu grito
Mas eu grito
Que é pra aplacar a dor.

Aníssima.

I love smartphone

Imagem
Imagem do Google
Sempre é tempo de ressignificações. Alguns momentos em maior intensidade. É o caso de agora. Tenho vivenciado e observado diversas facetas da vida adulta que e têm sido decisivas nas escolhas de minha vida. Avaliações e reavaliações que, por ora tendiam para pessoas, mas que acabaram resvalando em uma segura autoavaliação de diversos aspectos. Um deles, em específico, gostaria de compartilhar aqui.


     Há cerca de duas semanas atrás eu estava procrastinando na internet e encontrei um texto que falava sobre o uso excessivo desmartphones. Me identifiquei na hora.     Mesmo que tenha realizado há meses atrás uma limpa de aplicativos inúteis e viciantes que roubavam muito do meu tempo, me desfeito do facebook e me policiando quanto ao uso dowhatsapp, resolvi instalar um aplicativo chamadoBreakfree, que faz uma checagem de quantas vezes o usuário desbolqueia o celular e transforma os dados em gráficos diários, semanais e mensais, que calculam a quantidade de horas de uso. Bom,…

Distração

Imagem
Imagem do Google, releitura de O Beijo, de Gustave Klimt
Era madrugada e as primeiras gotas de sereno caíam do céu.
Beijei-o
Beijou-me.
Já não existem os galanteios.
Olha-se para a boca
Deseja-se e beija-a
Rapidez e liquidez.
Que teu beijo me seja
Amuleto, caminho, perdição
Beija-me com força e atração
Engole-me, preenche-me
e apraz.
Desequilíbrio, invasão, perversão.
Delírios e línguas
Quem são os estudiosos do beijo?
A mim basta que seja voraz.

A moça mina

Imagem
A mina namora Vai pro baile e balança As cadeiras, swingueira A mina trabalha  Frentista, motorista, passista. A mina é forte, agridoce, sabe ser bonita Tanto que não cabe na beleza padrão capa de revista Tão igual Tão batida Não segue o fluxo Muda a rima Sabe o que ela quer? Continuar dona de suas escolhas, xau.


Imagem de URL do facebook

Ana Paula Duarte.

Os caminhos de mim

Imagem
Imagem do google

Depois de finalizar o trabalho numa planilha de Excel, eu poderia estar esgotada e cansada do pc, mas estou aqui, pensando e escrevendo. Pensando sobretudo nas relações humanas. Com ênfase nas coisas que chegam ao fim. Uma amizade, um namoro, um caminho, uma vontade. O fim é sempre traumático? É preciso viver o luto, a transição, o amargar da solidão? E quem de nós não experimentou o fim de uma amizade? Bem sabe o quão doloroso, cortante, desconcertante e muitas vezes solitário e estigmatizado isso pode se tornar. Ou quem findou um namoro ou casamento, em que o amor, todas as promessas e demais sonhos tornam-se poeira, que o vento leva. Mas não sem antes incomodar muito nossos olhos, a ponto de lacrimejar bastante! O fim de um ciclo, de uma fase, de uma verdade, ideia ou caminho antes percorrido com contundência, ideal defendido com veemência que já não faz sentido. Viver é experimentar estes fins. Mas, não é sobre os fins propriamente ditos que quero discorrer. É aquilo que…

Baladinha da saudade de mim

Imagem
Pela manhã Levanto-me a trotar Passos rápidos, não firmes Quase rasantes A pressa da manhã Esbarrante, Se ajunta A pressa da tarde Mais trotes Mais corrida Engulo a comida E volto Agora são os dedos Que tão rapidamente digitam E meus olhos se comprimem E cansam Que tanto aguardo a chegada da noite E se a cerveja gelada desce deliciante Não há tempo a perder É preciso retornar a casa O corpo cansado precisa de forças Amanhã começa tudo outra vez Espero esbarrar comigo mesmo Na próxima manhã
Ou quem sabe num dia desses
Me roubo pra brincar
Ofegante.



Ana Paula Duarte. #ripAbujamra

Outra moça

Imagem
Imagem forte do filme Um cão andaluz, parceria entre Bunuel e Dalí, em que é cortado o olho de uma mulher.¹

Esperando na janela. Quem nunca avistou uma moça na janela, a suspirar e observar a vida como se esperasse alguma coisa? Hoje em dia essa cena já não é tão comum. Por quê? O que vimos hoje são muito mais namoradeiras (aquelas escultura, geralmente de moças negras em posição de espera nas janelas) decorando a frente de casas, hotéis, prédios comerciais e etc. Talvez ela estejam ali de fato para decorar. Ou, para nos lembrar de um tempo em que as moças se debruçavam nas janelas, cheias de sonhos, aguardando por movimento em suas vidas. E geralmente, tal movimentação era iniciada por algum rapaz que apareceria para acabar com o sossego, baratinando as emoções e batucando nos corações. O nosso querido Targino Godim atentou para a moça na janela quando escreveu a canção de sucesso interpretada pelo mestre Gilberto Gil, a saber, pelo seu título Esperando na janela². Em sua letra fica…

Duas moças

Imagem
Imagem do Google
Antigamente pra ser mulher de verdade era preciso satisfazer Cozinhar, passar, lavar, calar e se submeter. Antigamente a mulher precisava ser discreta, Sua casa, seu palácio, A cozinha, seu reino. E o príncipe, ah, o príncipe... A sua razão de viver! Essa é Amélie. Seu maior desejo é ter uma família grande. Foi o que desde cedo lhe ensinaram a desejar.

Imagem do Google
Hoje pra ser mulher de verdade é preciso se satisfazer Hoje ela escancarou as portas do privado, do doméstico Tomou o portão e chegou às ruas. Essa é Amanda, que não é Amélia. Amanda é prendada, amasiada com o namorado. Amanda não lava e nem passa, mas cuida da casa muito bem, dividindo com seu princeso, as suas responsabilidades. Amanda não deseja ser mãe. Será Amanda uma mulher incompleta? Afinal de contas,  Qual a receita para ser mulher de verdade? Amanda se sente mulher de verdade.


Ana Paula Duarte. "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é." Caetano Veloso

Uma moça

Imagem
Imagem do Google
Eu não sei fazer café. Pareço tão independente, mas eu não sei fazer café! Se me pergunta quantos livros já li e quantos textos escrevi Ficará encantado com tanto arcabouço. Se pergunta quantas confusões já arrumei e quantos namoros desfiz Ficará estarrecido com tanta disposição. Mas eu não sei fazer café. Ferva água, em cima dela coloque o coador e adicione o pó de café. Espere subir. Está pronto. Mas eu ainda não sei fazer café. Uma decisão política.    


Aníssima Duarte, das mentiras que invento para desculpar minhas incompetências na culinária básica.
Com este texto, inauguro a Série A Moça. Acompanhem!





O olhar de Bia

Imagem
Imagem do Google

Eu nem sei seu nome, nem tenho certeza de seu gênero. O fato é que me afeiçoei ao seu olhar. Gritante de desespero, receoso e triste. Cortante. O seu olhar deveria causar vergonha a Humanidade, pois ele está farto de desilusões, assim, tão cedo. Olhos assustados, lábios comprimidos, mordidos pelo medo. Quis torná-la íntima,  lhe dar um nome, chamei-lhe Bia. Quis lhe dar um final feliz, apesar deste mundo nem sempre nos permitir. Ah, Bia! Queria tanto te ver sorrir, te ver brincar, te ver viajar, correr, tirar fotografias... E o que te fez famosa foi justamente uma foto, tirada sem pretensão. Em que o teu sofrimento se resumiu num pavor à maquina. Mas desta máquina você não precisa ter medo. Eu queria muito, minha querida Bia, poder te contar de todos os teus direitos. E te oportunizar uma infância a qual você pensa que é fábula. De certa maneira é.  Sabe Bia, você devia ser o futuro. Ter uma casinha quentinha, ir à escola, brincar, ser cuidada por uma família que te…

Postagem comemorativa, 07 anos de Anaconfabulando

Imagem
É sobre mim, portanto, é sobre o Blog!

Eu detesto ter que discorrer sobre minha sexualidade em rede social, mas entendo que quando falo sobre ela é um ato político.
Imagens do google
Pois bem, em minha concepção a sexualidade é uma coisa muito pessoal, portanto é diversa. Eu não tenho problemas em falar sobre ela com amigos e amigas, nem com minha mãe, por exemplo. Ou simplesmente não falar com ninguém, também. O grande problema que percebi há uns anos atrás, era que quanto mais naturalmente eu falava sobre minha sexualidade e preferências sexuais, mais eu ofendia algumas pessoas ditas mais conservadoras. Com o tempo eu fui amadurecendo e vivendo a minha sexualidade com maior intensidade e menos palavras. Menos exteriorização das coisas, mais internalização. É este o meu estilo de viver a minha sexualidade. Meu corpo é o meu território. E com ele eu transgrido tantos padrões e estereótipos do patriarcado. Foi preciso até mesmo que meu corpo sofresse transformações relacionadas a meu …

A volta de Margot

Imagem
Imagem do Google

Margot, a menina espoleta, é uma menina especial. O tempo não passou para ela. Assim, continuou sendo menina, teimosa, cheia de vontades e com muitas caraminholas na cabeça. Não deixou de acreditar em suas ideias melindrosas, não deixou de morar naquela mesma casa, possuir ainda os mesmos amigos e frequentar os mesmos lugares. Parecia que naquele seu mundo não existia tempo cronológico, é como se ele apostasse picula com ela, mas nunca a pegasse... Estava livre em sua infância. E infância não condiz com responsabilidades, consequências e planejamentos... Margot vivia seus momentos, seu “aqui e agora”. A vida era boa e caso alguém pense que era monótona, relembremos que estamos falando da menina Margot. Com ela não existe rotina, não existem reticências: é tudo voraz! E uma coisa nunca era como antes, eram sempre novas sensações e a vida seguia. Margot não gostava de mudanças concretas, ela queria a constância e disso se nutria. Mas, como há muito não se manifestavam po…