Duas moças

Imagem do Google

Antigamente pra ser mulher de verdade era preciso satisfazer
Cozinhar, passar, lavar, calar e se submeter.
Antigamente a mulher precisava ser discreta,
Sua casa, seu palácio,
A cozinha, seu reino.
E o príncipe, ah, o príncipe...
A sua razão de viver!
Essa é Amélie.
Seu maior desejo é ter uma família grande.
Foi o que desde cedo lhe ensinaram a desejar.


Imagem do Google

Hoje pra ser mulher de verdade é preciso se satisfazer
Hoje ela escancarou as portas do privado, do doméstico
Tomou o portão e chegou às ruas.
Essa é Amanda, que não é Amélia.
Amanda é prendada, amasiada com o namorado.
Amanda não lava e nem passa, mas cuida da casa muito bem, dividindo com seu princeso, as suas responsabilidades.
Amanda não deseja ser mãe.
Será Amanda uma mulher incompleta?
Afinal de contas, 
Qual a receita para ser mulher de verdade?
Amanda se sente mulher de verdade.



Ana Paula Duarte.
"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é."
Caetano Veloso

Comentários

Estereotipação? Precisa se enquadrar em papéis tão definidos? Negar o sonho de constituir uma família é negar o sonho da própria essência feminina. Ignorar as mudanças que a nossa sociedade está vivendo é estupidez... ter que decidir por uma das duas moças para responder a uma demanda é se castrar. Livre a pessoa deve se reinventar e "se possível" viver uma Amélianda.....
Ana Paula Duarte disse…
Ótimas reflexões, caro observador! É justamente para incentivar as mesmas que escrevi. Mas entenda uma coisa, não precisa imaginar que só existem essas duas moças. Nem precisa acreditar (ainda hoje) que o sonho de constituir família seja parte intrínseca do gênero feminino. É de qualquer ser humano, não? Mas e se não se pensar em constituir família e se embrenhar por outras lutas? Então aí entramos na celeuma de padrões, mais uma vez...É essa a nossa luta, a desconstrução de padrões que nos amarram. Sim, são eles os responsáveis pela nossa castração. Mas quem os cria? A sociedade, ou melhor, uma dúzia de pessoas privilegiadas e detentoras de poder que discutem sobre o que é regra, muitas vezes, sem ética e princípios de igualdade...
Sabe que às vezes eu me pergunto se realmente existem esses padrões? E me pergunto também se devemos quebrar algo que não tem existência real exceto no imaginário das pessoas..... porém concordo com vc num aspecto construir uma família é um sonho do Ser Humano, porque existe uma necessidade incutida em nossas próprias células de nos "agregarmos"... átomos, moléculas, células, tecidos, orgãos, corpo...etc... a construção da vida atende a um modelo que necessita de encaixe e isso gera mais vida.... PORTANTO... VIVA AS AMÉLIAS... rs abração.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

Escreva, Ana!

O olhar de Margot sobre a vida adulta