"Que tempos são esses que temos que defender o óbvio"

      Entre as milhares de ebulições, revoluções e coisas que tenho vivido (e muitas delas silenciado), uma das coisas que mais incomodou este meu silêncio da palavra escrita, foi a polêmica que envolveu a blogueira Gabriela Pugliese, sobretudo para mim, o que mais incomodou foi a sua resposta.
     Vivemos tempos difíceis. Mesmo! Tempos em que somos ameaçados por monstros, fantasmas ideológicos, por mentiras que incitam pânico e terror, tudo isso de forma muito bem arquitetada e intencional. As pobres pessoas do mundo sofrem com a ditadura da minoria feminista, gay, ateia, esquerdista, negra, entre tantas...E agora, também há a ditadura gorda. Me façam uma garapa bem caprichada, por favor!
     Tem horas que eu peço pra ficar burra e aguentar. Ser alienada pra aturar as coisas que tenho ouvido e lido por aí. Pois bem, a Pugliese, em sua justificativa para seus mais de 500 mil seguidores, desde que suas conversas com amigas nas quais ela deixa claro que mandaria nudes caso elas não conseguissem atingir as metas de suas dietas, chocou a opinião pública e foi um grande assunto nas redes sociais.
     Diante de tantas críticas, a justificativa de Gabriela foi dizer que existe hoje uma criminalização das magras. Ah, Gabriela, minha querida, que grande merda você falou.
      Lembro-me bem de quando aos 12 anos eu comecei a enfiar o dedo na goela pra vomitar o que eu comia por não aguentar as dietas. Depois disso, sofri ainda mais, pois a cada vez que comia, eu já não precisava enfiar o dedo na garganta, a vontade vinha descontroladamente. Eu emagreci, fiquei com corpo esbelto e enfim, fiz o sucesso que sempre quis com os garotos. Permaneci magra até os 25 anos, quando comecei a engordar devido uma disfunção na tireoide que mudou o meu corpo.
     Ah, Gabriela, depois que eu engordei é que senti na pele o que é a ditadura da beleza. Em cada roupa que eu vesti e que não cabia em meu corpo porque não foi feita para mulheres acima do peso. Mulheres? Não, botijões, baleias, sapas gordas...E te digo, há uma enooorme diferença entre ser chamada assim e ser chamada de vareta, tripa seca e caveira. Todas essas formas pejorativas só expõem o mal que essa ditadura de um ideal, de um tipo, de um perfil único causaram a nós e causam as nossas meninas hoje.
      Hoje aos 28 eu já não quero o corpo dos 25. E nem posso. Não tenho paciência. Me aceito assim, porque sou saudável mesmo tendo uma pancinha. Mesmo não sendo a diva, a musa fitness, não me considero menos mulher.
      Mas não posso me calar diante dessa ideia de perseguição à magreza, porque sabemos que ela sim é valorizada. Então, porque o fato das gordinhas estarem se empoderando e inclusive, se levantando para criticar a sua total falta de noção da realidade e o seu desrespeito para com o corpo de suas amigas, te causa tanta ameaça a ponto de você dizer que se sente perseguida? Não estamos numa disputa entre magras e gordas no mundo. Alias, deveríamos lutar pelo fim dessa ditadura da beleza que faz mal a todas nós. Que nos limita e nos entristece, não permite que nos aceitemos, que nos amemos.
     Dentre esses mais de 500 mil seguidores de Pugliese a maioria é adolescente. Como ficam suas cabeças, quando uma figura pública sai em defesa do indefensável? Acaba reproduzindo mais estigmas, mais baixa autoestima e rejeição nessas meninas, já que a maioria das mulheres brasileiras nãotem biotipo de magra.
      Não Gabriela, preciso te corrigir: não são as magras que são criminalizadas. Nem as gordas. Basta que sejamos mulheres. Eles nos dirão como ser mulheres, o que fazer e como vestir, como alterar nosso corpo para agradar ao perfil construído, entre outras opressões e docilizações sem sequer nos perguntar o que é mesmo que nós queremos.
   Não assevere a opressão, não crie mais disputas, quer ser magra, seja magra. Quer engordar, engorde. Faça o que for melhor para você e sua saúde. Só não compare. Chega de objetificações!


Eu estou escrevendo sobre o óbvio, porque os tempos pedem isso. 




Vejo essa nova leva de blogueiros e blogueiras em seus desafios de comer alho, pimenta, beber gororobas, ensinar a perder 1 kg por semana. Aqui vos desafio a ler, pensar, comungar ou criticar o que escrevo. Vamos?

Ana Paula Duarte

Comentários

Nathi disse…
Ana, fico feliz de saber que tem mais alguém lutando pelo óbvio. Não são poucos os que o fazem, o problema é que somos muitos humanos, o número se dilui.
Mas, ainda assim queria te dizer que você não está sozinha.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!