Colorindo


            Arte em azulejos das ruas do Pelourinho- SSA





Coloridos infindos
Todas as colores

E as dolores dessa vida

Compõem o rico e poético

Mosaico de nosso ser.

Enxergaremos afinal?
Ah, daltonismo pós-moderno,
Que caia a venda e que deslumbrem os raios
Todos bonitos
Infinitos coloridos
Variedades balançando-se

E que enfim percebamos
O quão ricos somos.

A vida é ARTE e só a arte
eterniza a matéria finita.


Ana Paula Duarte. O mais é nada.

Comentários

Táxi Pluvioso disse…
Colorir, colorimos, mas depois põem-nos na parede (como mosaicos) :))) bom domingo
Haaa, booa! Mas, não tenho problema em ser mosaico...As pessoas acabam morando e sendo cravadas na parede de nossa memória...E isso ninguém tira!
Thiago El-Chami disse…
Eu tenho estado Daltônico, ou melhor, Dal-átono, Ana. O que faço? (Anaconselhando). rs.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!