Ad libitum



Praia da Aldeia Hippie em Arembepe, Litoral Norte- Ba

Uma vontade e nada mais
De derramar em cada verso
Não com tinta,
Mas com o suor dos meus dedos
Toda essa minha vontade
E a cada teclada uma nova palavra 
Que nomeie coisas, pessoas e sentimentos...
Convenções morfológicas nada nada românticas
E quem disse que eu quero a beleza da perfeição?
Cansei de quimeras,
Fico  aqui  com o que o agora pode me proporcionar
As minhas vontades...
Um brinde daquele vinho amadeirado,
Envelhecido em barricas de carvalho francês,
Envelheço.
Me apeteço dos carinhos teus
E nada mais é quimera,
Conheço a perfeição nos teus braços
Àquela que tanto procurei em drogas
Sociedade, igreja, álcool, maconha, ópio, carreira
As luzes do meu dia se apagam
E eu, solícita,
Peço que chegue a noite
Para começar meu delírio e vontades,
Nada mais que vontades.

Viver de minhas vontades!

Ana Paula Duarte.
Inaugurando 2013 cheia de vontades, ad libitum= ao MEU bel prazer!

Comentários

Vinicius disse…
Ana, quanto tempo! Vi em uma de suas postagens que você se formou. Isso é parte da estrada que se avizinha em ti e defronte a sua pessoa. E você continua escrevendo! E poderia escrever-me. Escreva-me. Eu ficaria muito contente em retomar os diálogos literários contigo. Tens o meu e-mail ainda?

Beijo.
Te respondi lá no teu blog R. Vinícius. Um grande e caloroso abraço! Vamos manter contato!

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta