Eu, bem, sou uma mulher nada frágil, pois é, uma mulher...Parei pra pensar ao escrever isso, é muito forte ser mulher, é difícil no início, você sofre com as mudanças e todas as responsabilidades que acaba assumindo.É engraçado, porque toda menina sonha em rapidamente se tornar uma mulher, mas, mal sabe os percalços e as complicações que isso emprega.
Tornei-me uma mulher e demorei um pouco pra perceber, quis ainda continuar com alguns hábitos e manias de menina, e isso custou algumas quedas e consequentes lágrimas, até que fui me adaptando a idéia e tenho buscado ser mulher e obter êxito nesta função.Mas, como se é o ser mulher?Isso é coisa de instinto, a gente só aprende tentando mesmo, já que não há um manual e não nascemos prontas.Até escrever tem sido complicado, porque não sei porque eu agora me preocupo mais com o que escrevo e sobre o que escrevo.
No quesito relacionamentos tenho buscado ser menos apaixonada e instintiva e mais racional.Tenho apresentado uma sede demasiada de sucesso e reconhecimento profissional, sendo que nunca me importei antes...Estou tendo novas prioridades, frequentado novos ambientes, tenho tido amigos mais velhos e experientes, conversado sobre assuntos mais cults, minha retórica está como eu sempre quis, não sou nem um pouco tímida, dizem que sou uma pessoa agradabilíssima e tenho buscado mesmo primar pela boa educação.Tenho tido mais arranca-rabos familiares do que antes, tenho tido pouca paciência e já não conto tudo o que me acontece a mamãe e isso causa certo distanciamento, mas acho que mamãe percebeu que eu cresci e ainda que ela não concorde com todas as minhas ecolhas, sabe que fez um bom trabalho ao me criar.
Mas, apesar de tudo isso, sinto-me uma menininha frágil e vulnerável, por mais que eu cresça.Minha essência permanece a mesma aqui dentro, sentimentos de rejeição e medos antigos também.A vida adulta me assusta, era bem mais fácil na infância, o mundo não era de vidro e nem era tão superficial, eu não precisava esconder que fraquejava, eu não escondia a minha essência, não vivia a me proteger de nada e nem ninguém.Eu tinha mais assuntos pra escrever, pois não tinha medo de me expor, eu tinha a liberdade de escrever sem temer a crítica.Crítica.Por que os adultos a temem tanto?Acho que cresci mesmo e fiquei abestalhada, menos corajosa...Será?Ou agora eu percebo que o que quer que eu faça, terei sempre que arcar com as consequências?É uma mera reflexão...Pensei alto aqui e escrevi.

Ana Paula Duarte.

Comentários

Déia disse…
Ser adulto é difícil... temos que ter as vezes coisas que ainda não temos.. rs
Equilíbrio, sensatez, calma, paciência, maturidade...
Temos que ser fortes, enfrentar e resolver...
Da uma saudade de ser criança, onde tudo era riso e fantasia.. E a gente nem se dava conta disso!
bom domingo!
ola.. novamente visitando seu blogger... a vida as vezes nos assusta, mas nada como viver, um dia por vez, e buscar proteção sim, a cada descoberta, a cada entrega, a cada caminho que percorremos, idependente da idade, notamos oquanto somos vulneráveis, aprendemos erramos. Que os erramos não tenham bis, nem que deixem sequelas.. a proteção de Deus e Jesus é essencial principalmente quando enchergamos o mundo como ele é.. e mesmo sabendo disso tomamos caminhos que não são os seus..

ai sim vemos o quanto precisamos dele e que falta faz o nosso Pai eterno e Amado. Deus...

abraços. .quando der visite o meu..
Gutox disse…
Otima como sempre hein! parabenssss
tava com saudades de vim aki!
beijãosãosão!!!!
Daniel Savio disse…
Bem vindo a idade adulta, cheio de armadilhas e possibilidades de aprendizado...

Fique com Deus, menina Ana Paula.
Um abraço.
antonio luiz gomes disse…
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaao que posso dizer,por enquanto é que você é linda !
FELIZ NATAL.
Antonio Luiz Gomes,de Goiânia,GO.Brasil.

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta