Aturdidos: Ainda procurando o que é amor...

e nessa de procurar, achei outra coisa.
Liberdade e amor: onde ela tem limites para que ele exista.
Tá que 18hs não é meu melhor momento de escrita, mas tão grande é meu estado de ócio, que não consigo ser produtivo em outra coisa. Logo, aos escritos.

Tenho receio da forma como o amor se relaciona com a liberdade. Usando a frase citada por André "Se você ama alguma coisa, deixe-a livre. Se voltar, é sua. Se não voltar, nunca foi", fico a pensar como um pensamento tão sublime tornou-se razão para tantas atrocidades "em nome do amor".

Sobre o que estou falando? Ora, da liberdade exigida nas relações amorosas.

Pra começar, é bom ter em mente que a consumação do amor é a convivência (presencial ou não), a paridade. E, como toda forma de convivência, de relacionamento, o amor exige acordos.

Pois bem: como querer total liberdade ao se estabelecer acordos envolvendo a própria vida? Liberdade tem quem opta por viver só: faz o que quer, quando quer, como quer, atentando apenas para os contratos sociais intrínsecos à vida humana - quando quer. Mas de repente me deparo com pessoas que acreditam no amor livre e desimpedido. Eu não acredito. E digo isso não com sentimento de posse ou domínio, mas como pessoa que reconhece o valor de um acordo.

Bem sabemos que somos livres por natureza e direito: ninguém pode ser privado de suas escolhas ou caminhos. Mas também é sabido que somos responsáveis pelas escolhas que fazemos. Se escolhemos viver com alguém, ou estabelecer com ela uma determinada forma de relacionamento, tal é a convivência que algumas regras surgem em função da própria relação.

É nesse momento que vemos as atrocidades: pessoas que em nome desses acordos se acham no direito de "dominar" o ser "amado"; ou ainda, pessoas que, com base numa ideia perdida de liberdade, acham que nada devem a ninguém pois é livre para fazer o que bem quiser da própria vida, mesmo que esta esteja ligada à de outra pessoa.

Para ambos os casos, apenas um conselho: Nunca atrelem sua vida à de outrem quando dela se acharem o único ser responsável.

Seríamos completamente felizes se pudéssemos perceber o quanto a liberdade é questão de trato e bom senso. Cada um sabe o que gosta e o que não gosta. Se algo do que gosta desagrada a pessoa ao lado, julgue, pese e decida por quem vale a pena viver. Mas sustentar a ambos com a ideia de que o amor tudo supera, é ilusão. Grande ilusão.

Ainda faço jus aos textos que me precederam nessa série: não seria essa confusão de ideias entre liberdade e amor o que nos faz perder de vista o que é cada um? Posso ser livremente EU se amo? É justo limitar? É realmente necessário?

Comentários

Fabio Moreira disse…
Avé maria... o povo ta todo "xonado" aqui srsrsr..
Que **coisa (**apesar de não gostar da palavra)é essa de amor...tantas definições e necessidades para quatro letras...[amor materno, paterno, de tia, de irmão, amor massoquista{ esse eu conheço um monte} enfim, apesar de tudo meus amigos tem mim mostrado que amor é mais liberdade e cumprincidade além de tudo...
Prender nunca é uma boa idéia, aliás não se deve...
Mas há também aqueles que não sabem lidar como esse amor, e acaba mudando completamente e esquece dos amigos, não responde bom dia dia, maltrata e "se acha" e rir quando você passa, com aquele olhar do tipo ¬¬ [essa desgraça mim ama!]...CONFUSÕES...
Isadora disse…
Adorei a maneira como você escreveu sobre amor e liberdade.
Todos temos liberdade. É nosso por direito, e quando estamos em uma relação acredito também que a mesma deva existir, apenas fazemos acordos para que cada um sinta-se livre sem sentir-se menos amado.
O que talvez não tenhamos aprendido, por ser difícil mesmo é que não pertencemos a ninguém e ninguém nos pertence.
Um beijo
Túlio Barros disse…
Liberdade e amor podem conviver completamente bem, e eu aprendi isso. Se uma coisa depende da outra, aí são outros 500, mas eu convivo bem com isso (e muito bem, diga-se de passagem).

Esse é o único blog em que visito da UEFS e não me sinto "mais um", a liberdade para expressar é tamanha que ainda me sinto no direito de vir aqui e comentar bêbado. =D


Parabéns, mais uma vez, pelo blog e posso indagar: o que seria da sociedade se não fosse o pensamento contrário? Ainda bem que ele existe...
mili disse…
Wandson, vc é meu irmão astral total!!!

Escrevo ainda com o coração apertado e com lágrimas nos olhos...( vc sabe da minha resistência de postar aqui!)

O texto está lindo, pois é fruto de alguém que vive verdadeiramente esse amor feito de escolhas conscientes.

Parabéns, e que as próximas postagens venham envolvidas com essa energia concreta ... de quem VIVE e não apenas escreve sobre o amor!
André do Carmo disse…
Lindo texto, foram expressados pontos de vista maravilhosos no que se diz respeito ao amor e a liberdade...sem dúvidas a essência está descrita ai de forma bem simples...o fato é que ninguem ama preso, todo mundo é livre, mas não no sentido literal da palavra e sim de uma forma bem parecida com o que o Fábio Moreira disse acima "apesar de tudo meus amigos tem mim mostrado que amor é mais liberdade e cumprincidade além de tudo..." um amor duradouro entre amigos dura a vinda inteira justamente por estes fatores, mas porque quando o relacionemento afetivo, um namoro, casamento tem q ser diferente? poderia ser liberdade e cumplicidade sempre, claro que com agueles valores morais (não traição...)...Seria tudo lindo =D


Parabéns pelo texto...muito bom de se ler
Ana Paula Duarte disse…
Limito meu comentário a apenas algumas palavras:

1° Wandson vc é show, simplesmente.
2° Tomo como lição o seu texto, mais agradeço por tê-lo escrito e por ter compartilhado conosco aqui.

Um grande abraço, estou aprendendo, viiu?!rs.
Um caro cidadão disse…
São comentários como os daí de cima que fazem a gente querer escrever mais e mais.




Fico lisonjeado com os elogios.




Abraços a todos e todas!




=D
Ana Paula Duarte disse…
Tulio, fico lisongiada com suas palavras, a intenção do blog sempre foi essa...DEMOCRACIA!

Volte sempre, ainda que bêbado.Risos.
Túlio Barros disse…
SHUIUISHAIUSHISU Não se preocupe, pretendo voltar sóbrio das próximas vezes. =)
Aline disse…
O teu texto juntamente com o de Ana Paula foram os que mais chegaram a min tocar profundamente.
Todos estão de parabéns, melhor falar de amor do que de guerra rsrs
Melhor ainda é sentir.

Bjo
Luciano disse…
Creio que há, sim, liberdade quando se ama. Porque se você escolhe participar de uma sociedade aonde há determinadas regras e limites, foi uma liberdade SUA, você poderia simplemente não fazer acordo nenhum.
Claro, com grandes acordos vêm grandes responsabilidades, e e´forçoso imaginar que as sociedades, por se tratarem se somatórios de pessoas diferentes, vão necessitar de sacrifícios e doações.
Claro, sacrifícios esses que sejam lógicos e tragam algo de produtivo para a comunidade (mesmo que seja de dois).
quanto a porquê fazer esses sacrifícios? Porque, creio eu, o ser humano nasceu pra trabalhar em equipe. evolutivamente funcionou dessa forma. Sozinhos não somos nada. Não fugimos de onças, não matamos bois. E nem as diversões do dia-a-dia têm o mesmo gosto.

Toda relação vem do atrito. O que é o carinho, senão atrito? A questão é enxergar isso.
Daniel Savio disse…
Amor nunca começa com um acordo de dominação de uma das partes, fato...

Fique com Deus, menino Caro Cidadão.
Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

Escreva, Ana!

O olhar de Margot sobre a vida adulta