Renovação

Não sei o que é
Mas já era
Aquele aperto no peito
Nó que aprisionava a alma
Sentimento de vazio.

Não sei por que
Mas passou
Aquela dor de outrora
Que impedia a circulação
De risos, esperanças e euforias.


A volta de quem não foi
Ausentou-se por não sei quanto tempo
Mas levantou-se em ímpeto
Coragem e vontade de viver.

Minha sina é viver. Vi- e- ver!
Ir e ver, ser e ver.
Frescor e pujança.














Imagem do Google


Ana Paula Duarte em 23 de agosto de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

Escreva, Ana!

O olhar de Margot sobre a vida adulta