Dor

É de doer
É de sangue e fel
É irmandade e desordem
Torpe, enche o cálice
De ódio
E bebe
O lobo vestiu-se de cordeiro
E fala manso
Eu vossífero!
Na minha sã loucura
Ouso amar o lobo
Na inocência tola de que serei poupada.
O que são laços? 
O que é mesmo a esperança
Quando a ojeriza de um olhar 
É capaz de dilacerar a alma?
A vida, essa de ciclos desnivelados
Nos desvela nos mais sublimes e mais vis sentimentos
Pra nos mostrar o quanto é tudo uma ilusão
O quanto somos e estamos

Sozinhos.













*Imagem do Google


Ana Paula Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!