Nova Macabéa


Tal qual a outra,
Essa Macabéa sonhava pelas ruas da cidade
Não vinha da vidente
Mas iria comprar o pão diário e alguns sonhos na padaria.
Estribuchou-se no chão.
Três tiros
Mais uma negra da favela morta
Mais uma pra aumentar a estatística.
A hora da estrela
Viria momentos depois
Quando num porta-malas de um camburão
Foi vista pelas câmeras
Já não estava entre nós.
Não foi estrela outrora
Não teve direito a dignidade
Não fosse a tecnologia e a interatividade,
Seria apenas um número frio
Mas tornou-se vítima do vil
Assim que apareceu nas TVs de todo Brasil.



Foto retirada dessa ótima sugestão de leitura 


Ana Paula Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta