Quem sou eu

Desculpa, mas eu não tenho manual!
Não sou eletrodoméstico...
Também não tenho bula,
Pois tampouco sou remédio.

Eu sou uma pessoa...
Sendo assim, sou tão inconstante!
Nada me explica,
Muito menos me exemplifica ou se assemelha.

Tão única e tão igual,
Ao certo um quebra-cabeças juvenil.



Ana Paula Duarte

Comentários

gutox disse…
volteiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!
cada dia um melhor que o outro hein,
menina talentosa \o/!!!!!
parabens viu...e em virtude do seu talento deixo aqui um BEIJO NA BOCA³³!!! rsrsrs!!
Ana Paula Duarte disse…
óia...taradinh...
já dissee q só aceito se for na testaa!rsrsrs
oh miguu bligadaaa!
te doluu!
bju na testinhaa!
Quezia disse…
lindo..amei.
a sua cara mesmo, bem direto
tá lindo!
parabéns amiga..
continue assim.
Uia!
Menina, me vi também nesse poema aí...
Principalmente c/ relação a inconstância...
E se tivesse um manual de mim,
esse seria tão complexo (tão doido) que ia ser enfadonho...
Acho q nem eu mesma leria!
rsrsrsrsrsrs
Aline disse…
muito lindo!
parabéns!
Wagner disse…
Tens razão Ana, que importa saber quem somos? Definir-se é limitar-se. Não importa quem somos, porque dia a pós dia somos cada vez outro.
R.Vinicius disse…
Gosto do seu jeito Ana de ser. =) Abraço, até breve,

R.Vinicius

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta