Vanitas vanitatum, et omnia vanitas¹



                                Do blog:http://cristaiscelestes-novaera.webnode.com/products/vaidade-/




Que há de encher teus olhos
a lua no céu a brilhar
ou o ouro do relógio de braço?


Que mais queres
o amor de alguém valoroso
ou a orgia da pertença de um corpo?


Que mais vale em tua balança
a felicidade
ou a busca infinita dela
em teu sempre reclamar
ou ainda, a infelicidade crônica?


Olha a teu redor e valoriza o que tens
antes que te levem
pois se algo aprendi dessa passagem
é que tudo muda sempre
até mesmo o conforto
e a plenitude só com a morte se alcança.




¹"Vaidade das vaidades, e tudo (é) vaidade".




Até onde a vaidade humana pode chegar? E no fim, é só vaidade mesmo...




Ana Paula Duarte.

Comentários

Aníssima, minha querida. Muito linda e oportuna esta postagem. A vida pode ser tão simples e descomplicada se conseguirmos pesar e valorizar tudo o que temos, não é?
Uma santa e feliz Páscoa prá você.
Beijocas no coração.
Manoel.
Elis Franco disse…
Esse viver de desejos, de sonhos, de busca incansável às vezes nos impede de valorizar o que já temos e somos.
JM disse…
Hoje me fizeram as mesmas indagações, mas de uma forma nada poética. Depois de ler o seu texto, talvez eu consiga mudar a resposta que dei. Muito bom.
Marcos Fellipe disse…
Anaaa... Belíssimo texto, me fez refletir sobre essa sociedade de consumo massificada q nos faz perceber q não temos escolhas... Temos q consumir para ter status, e q certamente mais vale um taco de ouro no braço... E assim vamos todos seguindo os mesmos caminhos, como um rebanho domesticado... Cada um com o focinho colado no rabo do outro...
Temo que alcançar a felicidade seja uma triste infelicidade. Saudades.
Anísia Neta disse…
Vaidade... tudo é vaidade!!
Aiii... essa doeu!!!
Deixa eu me curar pra depois falar qualquer coisa...
BjoOO!
Táxi Pluvioso disse…
A vaidade originou a primeira indústria lucrativa: a cosmética. bfds
jefferson disse…
Parabéns Ana, pela provocação...

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta