E foi-se toda a leveza

A poesia em mim findou-se
Num silêncio triste de sepulcro.
Na praticidade dos dias, encontrei máscaras belas,
Risos solícitos, porém olhares distantes
Não são meus e nunca serão.
E este estar de alma triste
É que não aceito
Em mim não há lugar, nem relance
Aquele enlace...
Toda a perfeição!
Estável
E ela, que alada me fazia voar e gemer da dor do amor,
Desaparece entre razões e um dinamismo ator,
Uma maturidade terrível e insana
De quem se entrega ao sistema e dança sua música.
Queria o êxtase de mim,
Aquelas palavras que eu espremia lá das entranhas
Minha catárse...
Eu, 
Que não me acho há tempos...
Que já não sou.
E sobram palavras doloridas,
Fortes, estampadas, coloridas-
Mas nem refletem alma...
Apenas, ajuntamento de letras
Deixei a poesia,
Fui a vida sem alegria.
O que esperar dela agora?




Ana  Paula Duarte

Comentários

Adri Ferreira disse…
A vida sem poesia seria NADA!
bjos
Sonhadora disse…
Minha querida

A poesia...é amor e dor...é céu e inferno...sol e chuva...a poesia é o nosso EU mais profundo.

Deixo um beijinho com carinho

Sonhadora
Ana disse…
Olhares distantes...esses não quero!Acredito na poesia da partilha do caminhar junto, ai as máscaras devem ser descartadas e a beleza do poema humano pode se refletir em Amor!
Léo disse…
Perplexo percebi que o que falas, falas do avesso de mim, pois vi minha alma no reflexo de suas palavras, como quem olha atentamente no espelho.
Anísia Neta disse…
É... parece que o vazio resolveu impor sua presença!!! Mas o que ta preenchido com o vazio, deixa de ser vazio, e mesmo o que parecia não poético, não inspirado, torna-se uma inspiração para escrever...

A Insustentável Leveza do Ser...
Anísia Neta disse…
Não sei qual é esse Espírito do Tempo... mas tb me sinto assim...
Um beijo minha querida!!!
E que o sentido da vida grite dentro da gente da próxima vez...
Táxi Pluvioso disse…
Não há dúvida que se foi toda a poesia, não admira, com o FMI em cima :))))) boa semana
Tiago Almeida disse…
"Fui a vida sem alegria.
O que esperar dela agora?" parece cliché, e é, mas não está errado: temos que correr em direção a ela, com as sementes do que queremos colher, caso contrário não podemos culpa-la por ser vida, além do mais entender que ela ( a vida ) sabe que é linda , e não está nem ai pra nós, quer que nos esforcemos para senti-la, para agarra-la. Lindo o seu espaço, eu vejo você aqui.
Eduardo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
jordi disse…
certo dia tentei ser poeta e não conseguir, quando desistir, um poeta me tornei. busquei a morte e encontrei a vida e quando por vida lutei morri.

Parabéns por cada poema, são lindos!

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta