O dia da saudade



Hoje me disseram que é o Dia da Saudade e logo perguntaram "Do que você sente falta?". Respondi sem titubear que "De muitas coisas, é claro! E lá se tem dia de sentir saudades de ninguém? Oxe!".
Depois fiquei pensando em coisas e pessoas, naquilo que já não volta mais. Senti tanto prazer em lembrar os bons tempos que já tive, das belas pessoas que passaram pela minha vida. Algumas, ainda que boas, já não sinto saudade, já não sinto nada. Outras, a saudade é tamanha que dói e ainda perturba.
Foi então que me perguntei de supetão “quantas pessoas hoje sentiram saudades de mim?" E aí a gente acaba expandindo a coisa para outras e tantas reflexões de ações e atitudes, que, com a 'amadurescência' da idade e com as experiências da vida, de forma alguma seriam as mesmas, e eu não me permitiria ter saudades, pois não teria deixado ou perdido. A gente tira muitas pessoas de nossa vida, por insegurança, fofocas, dúvidas, ameaças, medos tolos, morte... Parei de ter pressa, a pressa nos faz perder a naturalidade dos momentos e aproveitamos pouco as pessoas da nossa vida.
        Mas sabe, apesar das perdas o melhor foi perceber que o dia passou e eu nem me lembrei de sentir saudades, eu só soube dessa "data especial" quando fui questionada. E sabe por quê? Porque eu estava na presença de pessoas que não deixaram em momento algum que eu nutrisse saudades ou falta de nada e nem de ninguém. Eu realmente aproveitei o meu dia. E é estranho, estranhíssimo, pois eu deveria sentir nem que fosse um pouquinho de saudade hoje, não por causa da data, mas por motivos outros. E o  que acaba imperando é a sensação de 'o que se foi se foi...' E que bom  por isso também!
        É triste quando nos tornamos estranhos de quem antes éramos próximos, mas,   hoje começo a entender que é algo natural, pois isso acontece por conta dos caminhos que tomamos na vida, conforme nos direcionamos, nos distanciamos de uns, nos achegamos a outros, mas o importante é nunca estarmos sós.
        Acredito hoje que não há nada no meu passado que me envergonhe e me sinto em paz com ele. E sinto sim aquela saudade mansa e leve frente a tudo o que passou na minha vida. Lembro-me das palavras do compositor Peninha[1] "saudade é melhor do que caminhar vazio". Imaginemos alguém sem lembranças, sem nenhum tipo de recordação, boa ou ruim... Eu particularmente não consigo visualizar. É ser nada, não ter o sentir, não ter uma história e nem aquela nostalgia que nos balança os sentidos e sentimentos, bem, seria entediante e utópico, se tratando de nós humanos.
      Que continuemos a sentir saudades (essa palavra vernácula intraduzível) e até mesmo eleger um dia para ela, mas o que não podemos fazer com as nossas vidas é deixar que a saudade nos engula e nos paralise. Que ela seja então por nós engolida, para que possamos viver o agora e inclusive usufruir da nostalgia do depois sempre.  Pois como muito bem poetizou o grande Carpinejar[2] "O que foi já me ensinou, o que virá não sei".

  Ana Paula Duarte

PS: Queridos, depois do texto pronto fui pesquisar um pouco mais sobre este dia e descobri que o Dia da Saudade é dia 30 de janeiro, ou seja, amanhã. Quem me questionou hoje estava meio enganado..Mas, eis o texto!




[1] Aroldo Alves Sobrinho mais conhecido como Peninha, é um cantor e compositor brasileiro
[2] Fabrício Carpi Nejar, ou Fabricio Carpinejar, é um poeta e jornalista brasileiro

Comentários

Nathi disse…
Dia da Saudade.
Poético, brasileiramente poético!

Com uma ternurinha e uma nuvem que passa, antes do dia de amanhã, hoje é saudade e com um aceno suave e despretensioso eu a deixo passar com sua rude e melancólica sinfonia.

Vai, oh tu que não dormes e a muitos não deixa dormir!
Sonhadora disse…
Minha querida

Não sabia mesmo do dia da saudade...estamos sempre a aprender.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta