Diferente

Busquei uma imagem,
a qual caleidoscópicamente me trouxesse inspiração.
Foi como abrir a bíblia de forma avulsa e esperar um versículo qualquer, mas que me emocionasse e me revigorasse.
Encontrei logo de cara, em certo site chamado Google (ora e o que não se encontra nele?).
Pois bem, encontrei uma imagem muito pertinente, que personifica os sentimentos que me tomam vez ou outra.

Zebras.

Mas, ainda não é isso, eu não me sinto como uma zebra.


E me deparo com outra imagem...
Terei encontrado inspiração?
Olhando para ela, o que você retira de interpretação?

Loucos varridos no chão?
Fotógrafo excêntrico?
Apenas um ângulo diferente?


-----------------------------------------------------------------------------------------
Agora, o que eu te pergunto é, você também se sente só nos momentos em que se sente diferente do resto do mundo?


É como se só você sentisse aquela dor tão latente ou aquela alegria mais que saliente, e de tão incompreendido, você acabasse diferente e o diferente sempre acaba só.
A solidão não faz mal!
Sempre exerceu sobre mim um fascínio especial.
E no silêncio dessa madrugada busquei inspiração, encontrei na diferença de uma zebra, veja só, que viagem!
São só lamúrias de uma madrugada a mais.
E nada mais.

Ana Paula Duarte.

Comentários

Gutox disse…
Se fosse pra eu postar todas as lamurias das minhas madrugadas o meu blog ja estava lotado,acho que não teria mais espaço pra mais nada(se isso for possivel).
Tipo,o fator felicidade excêntrica e a tristeza profunda só entende quem sente,quem está de fora nunca,jamais entenderia tal sentimentos.
Independente de quem seja,quando se sente diferente dos demais,com toda a certeza do mundo se sentirá só,isso se não encontrar uma pessoa que esteja no mesmo "nível emocional" que ela.Hoje particularmente me sinto meio pra baixo,e sei que só eu entenderia meus motivos,poderia alguém vir e tentar me aconselhar mas de nada serviria e apesar de estar conectado a dezenas de milhares de pessoas neste exato momento ainda me sinto só,mas há casos que a solidão é bem vinda,ficamos introspectivos,pensando em coisas que poderiamos ou não fazer,em pessoas que desejamos ver ou não.
Enfim,há momentos que devem ser apenas nossos,creio que seja esse o motivo de sentimentos aparentemente indiferentes.
E esse post aqui como os demais estão ótimos,não vou falar"sem comentários" porque já estou comentando ele.rsrsrs
Parabéns mais uma vez,quando eu crescer(agora só para os lados rsrs)quero escrever assim.

Ps:sou a zebra diferente lá!XD
Daniel Savio disse…
Pode até sua lamuria, mas não o que define a tua vida (ou não?)...

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.
Ricardo Calmon disse…
Ficaria simulando estado de espírito dow quando,pela foto da ponte !linda!

feliz ficarei se concordar em seguidores praticarmos!

viva la vida!
Everson Russo disse…
As vezes a gente se sente confuso mesmo,,,meio que como um bando de zebras onde a imagem total é desfocada....a vida as vezes nos é desfocada....beijos de otima semana.
Ricardo Calmon disse…
Obrigado Ana Paula,por sensibilidade e ternura sua!

viva la vida!
André do Carmo disse…
Ha Mow.

Ao meu ver, trata-se do produto da nossa própria individualidade, todos nós somos Uno e Únicos, curioso é ver, que por mais que tenhamos uma Familia Maravilhosa, Companheiro Maravilhoso, Amigos fieis de Montão, boas práticas, sempre mantemos em nós nossa individualidade e a partir daí essa solidão é natural, pois nunca vamos encontra ninguem igual a nós, que tem mos mesmos questionamentos, etc etc...sempre existirão nossos momentos a sós conosco...
Esses são os momentos em que a Gnosis faz parte da nossa vida, onde adquirimos a sabedoria e o conhecimento da vida, são nossos momentos de reflexão, de criação para os criadores, compositores, artistas, poetas, etc, etc, etc.
É um DOM e uma dádiva clara para as pessoas sensitivas e ouvintes, ouvintes do conhecimento transcedental e intuitivo!!

Sinta-se bem por ter esse DOM =D

Bjo
Um caro cidadão disse…
iiii, fia. Essa coisa de diferente e só não cola contigo. Tu tem momentos teu que eu nunca quero que sejam meus. Assim como os meus jamais serão teus.
Ora, se vivemos mundos diferentes, nada melhor que termos experiências e sentimentos diferentes e, ainda mais, encontrarmos pessoas diferentes com as quais falaremos de coisas diferentes das que sentimos. Pois se falarmos daquilo que sentimos, um de nós não será contemplado nessa conversa. Às vezes, até por desabafo, contamos coisas, apresentamos o enredo de nossa vida; mais por falar, que por procurar respostas.

Uma coisa eu te digo. O diferente só se sente só perto de gente medíocre que se acha igual aos outros. [eca!] Vejo tua vida com Quezia e não sei como vocês tocaram tantos anos de vida... até aqui não sei mesmo.


Ela te traz sentimento de solidão? Ser diferente te afasta dela? Penso que aconteça exatamente o contrário. Mas não devemos esperar que as pessoas compreendam coisas que jamais viveram como nós vivemos.

Jamais tente imaginar o que foi um campo de concentração sem passar por lá. Uma pessoa comum, que lá esteve, jamais faria um relato dessa experiência pra você, por saber que não entenderia. Um poeta faria, mas faria por acreditar falar pra ele mesmo. Na intimidade de suas pena extrovertida.


Penso que é isso e vou parar por aqui... não quero fazer do comentário outro post.


=P



O blog está ótEmo, pessoaaaa!!!
Ana Paula Duarte disse…
Obrigada por sua tamanha participação caro cidadão.
é isso aí mesmo que vc disse, ngm é igual e tem iguais experiências...Mas a gente convive e ama, se apega, etc.
É, isso é viver e são pedaços de humanidade.
Um bjo e volte sempreee!
=D
lis disse…
Oi Ana Paula
È tao bom sermos assim ,uns diferentes dos outros e ainda termos dias diferentes dos demais.Sao sensaçoes que é bom experimentar, solidão, tristeza, felicidade.
E as imagens estão perfeitas com o seu momento.O sr.Google é meu parceiro também rsrs
abraços e que a semana te inspire mais
quezia. disse…
Vejo tua vida com Quezia e não sei como vocês tocaram tantos anos de vida... até aqui não sei mesmo.
kkk..
aiai..pra ser sincera nem eu sei,mas acho que é justamente isso,o respeito pelo diferente que é o outro, e sempre a certeza de que não ser igual é o que nos faz sermos pessoas.
Caurosa disse…
Pois é minha cara amiga Ana, ser ou estar só? Eis a grande questão!Eu me sinto diferente e feliz quando caminho solitariamente, na madrugada, pelas ruas antigas da minha cidade. Como explicar?

Paz e harmonia em sua vida,

forte abraço

CAurosa
Braulio Pereira disse…
a poesia reflete o nosso
momento doce da vida

eu vivo.. existo.

estou mais motivado com seus

cálidos comentarios.

beijos!!
in natura disse…
Adorei o texto e me sinto assim também as vezes. Beijuss
tossan disse…
Hiiii...Deu zebra aqui também sou diferente quase o tempo todo...Pessoas não entendem! Ótimo não gosto da unanimidade mesmo. Belo texto moça. Me deito no chão também para clicar..Rsrsrsrs... Beijo
Olá.

Sou professor em Fortaleza e escrevo textos para professores, falando das coisas boas da nossa profissão.

Primeira visita ao seu blog,
e colho uma alegria simples,
e por este motivo,
uma alegria que acalma o coração.

Espaços assim se justificam pelos
sorrisos que inspiram.

Que os sonhos te acompanhem sempre.
Abraço para você.

Abraços significam amor para alguém com quem realmente nos importamos.....
para nossos avós ou nossos vizinhos, ou até mesmo para um ursinho amigo......

Um abraço é algo espantoso... é a forma perfeita de mostrar
o amor que sentimos, mas que palavras não podem dizer.

É engraçado como um simples abraço faz-nos sentir bem...
em qualquer lugar ou língua...
É sempre compreendido...
E abraços não precisam de equipamentos, pilhas ou baterias especiais...
É só abrir os braços e o coração...

Guarde este abraço !

beijooo.
André do Carmo disse…
Só Sucesso....aqui, qualquer ponto é letra!!

Parabens Mow pelo sucesso do blog!
Ana Paula Duarte disse…
Obriigada meu mow lindoo!
E obriigada a todoas as pessoas que tem visitado e comentado, obrigada até mesmo àqueles que visitam, mas não comentam!
Beijos.!
Ava disse…
Ana Paula, voce transpira vida menina!

Viver é isso, é ser diferente, é ser triste, alegre, melancólico, é chorar, é sorrir, experiemntar a felicidade suprema e de repente uma dor imensa...

Tudo isso faz parte do viver.
E aqui, voce coloca todas as suas emoções magistralmente.

Aliás, voce escreve magistralmente!

Também já cá estou a seguir-te...rs


Beijos!
Cadinho RoCo disse…
A intimidade de cada um de nós é profundamente pessoal e intrasnferível.
Cadinho RoCo
Everson Russo disse…
Um beijo e otima quarta feira pra ti.
A Magia da Noite disse…
para não estar sós às vezes somos comuns aos outros.
Gostei das perspectivas e impressões... belo espaço, belas imagens... seguindo... ;)
Bandys disse…
Ana,

voce sempre tem a si mesmo!
Deus entra dentro de voce.

beijos no ♥
Layara disse…
...Olá!

Veja só, não somos tão diferentes e as vezes nas listras dos dias somos iguais a tantos riscos de sentimentos dessas gentes que ousam uma fotografia diferente, uma cena inusitada, somos Nós, tão parecidos, buscando inspirações, "piradas" nas madrugadas, somos Nós em busca de Nós.

gostei tbm e voltarei.

beijos e Luz em tua jornada, nas madrugadas ou nas manhãs, sempre Muita Luz!
Dani Pedroza disse…
Sabe o que é mais curioso? É que mesmo em seus sentimentos mais "solitários" você não é a única. Sempre há, neste mundão, alguém que sente exatamente como você. E pasme, às vezes, não é um só alguém, mas várias pessoas. É isso. Não sei se essa é uma constatação boa ou ruim, mas a solidão total (assim como a originalidade total) não existe. Talvez nada que seja total realmente exista. Talvez quando nós sejamos totalmente nós não passemos de uma ilusão. Talvez...

Viajei, né? Acho que me empolguei com as zebras, outras perspectivas, solidão. Ou seja só a madrugada mesmo. Bjs.

P.S.: Obrigada pelas palavras afetuosas lá no Impressões. Você é muito bem-vinda.
Olá, gostei das fotos e do belo texto...Espectacular....
Beijos
Ana Carvalho disse…
mesmo colorida, a zebra é sempre zebra
=]

http://laislabonitta.blogspot.com/
Ana Carvalho disse…
madrugadas, com café, nunca são madrugadas solitárias.
Franzé Oliveira disse…
Olá Ana,
Ando só
Parado em um mundo que gira
Na contramão de tudo
Por mais que grite ninguém me ouve
Por mais que explique ninguém me entende
Só o silêncio me acompanha
Como você disse: " A solidão não faz mal"
E nisso sigo, sigo
Até chegar ao meu final.


Beijos no coração.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

Escreva, Ana!

O olhar de Margot sobre a vida adulta