Surpresas

Nesta tarde cheguei um pouco mais cansado do trabalho. Tarde monótona, tempo com aparência triste, dia pouco encantador. Mesmo assim coloquei uma roupa agradável e, como não chovia, fui caminhando ao teatro.

No fim do mês de agosto o teatro exibia uma sessão constante de obras clássicas intercaladas por peças de produção mais contemporânea e local. Uma ótima estratégia para valorização da arte local e do não esquecimento das grandes obras.

Não sei o que houve comigo neste dia, mas por mais que tentasse não era capaz de lembrar-me qual o nome da peça em cartaz. Tampouco me lembrava do estilo ou da direção. Não me deixei abater por essa falha e encarei o acontecimento como um jogo no qual a emoção da surpresa seria meu prêmio.

Entrei, busquei uma das poltronas de onde poderia ter uma visão privilegiada do palco ao passo que desfrutasse, ainda, de um lugar mais confortável, Isso só me foi possível graças à quantidade de pessoas presentes, que não era tão numerosa como habitualmente. Sentei e me pus a esperar.

Alguns instantes se passaram, abri os olhos e, quando dei por mim, todos riam menos eu.



Comentários

Ana Paula Duarte disse…
Huum Wan!
Nossa, lembrei da minha cara aqui ao ter lido esse conto pela 1° vez, lembra?
Surpresas...ai ai, sabe aquela cara?
Pois...Surpresaaaaaaaaaa!
Adorei o texto e mais uma vez gostaria de parabenizá-lo pela sua forma de escrita, não perde pra um Veríssimo nãao!
Abração.
Gutox disse…
Gostei do texto...muito bom mesmo!
Quezia Alvim disse…
Por isso que ,às vezes, é bom continuar com os olhos fechados dentro de certos teatros...assim, mesmo que as pessoas pensem que estão lhe vendo...você não as vê, pq, meu caro amigo há certas pessoas que é melhor que nossos olhos nem as avistem...

Texto perfeito, o que eu gosto em vc amigo , é que é todo cheio de diversos lados,sempre que lhe olho...o vejo de uma maneira, assim com esse texto seu...
bem vc.!
te adoro
Aline disse…
Precisei ler 2 vezes para entender, diante disso, afirmo que vc é muito bom com as palavras e agora que entendi, faço minhas as palavras de Quezia.
Até mais.
Um caro cidadão disse…
Agradeço a todos pelo carinho e atenção com os quais lêem meus textos.

Quezia, fia... tá me chamando de duas caras, é? (risos) Brincadeira... muito obrigado pelo comentário! Muito, muito!
Ana Paula Duarte disse…
Elogia-se aquilo que de fato é bom e nesse caso, então, elogia-se muitoo!
xD
Um caro cidadão disse…
Agradeço os elogios, mesmo não achando que seja merecedor.


Espero atender as expectativas e postar mais histórias ou a continuação desta.



Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!