Elucubrações 2*

             Imagem google

Se numa manhã bem fria e convidativa a se estar na cama, você se levanta, se agasalha e vai ao médico entregar a papelada de exames feitos no seu check-up anual. Até aí, tudo rotineiro, até que  o que ouve como diagnóstico é um câncer terminal. Isso não estava nos seus planos, não está nos planos de ninguém. O  que você faria? Agora, logo nesse exato momento de sua trajetória, sua juventude seria tirada, toda sua vivacidade, projetos, seus achismos, seus momentos, suas saídas, sua beleza, tudo, tudo isso acabaria...Então, me diz o que você faria?
O que seria de seus amores, dos teus planos e do seu futuro?
A MORTE.
Está para os adultos assim como o bicho papão está para as crianças.
E aquele abraço que ficou para amanhã? E aquela palavra não dita? E as mágoas deixadas? O que será feito de tanto orgulho? De tantas imperfeições que te fizeram deixar de ser tanta coisa, de tantos medos que te acorvadaram...Ser humano é ser burramente falho, deveras oscilante e muitas vezes exitante.
MAS AMANHÃ PEDIRÃO A TUA ALMA, LOUCA!
E o hoje? O que será feito dele, nesse instante?
É sua última chance, já pensou de quanto tempo dispôs e protelou?
Pois é, AGORA, é a tua única hora e o que fará dela?

Essa fria manhã e essa triste notícia podem chegar para qualquer pessoa, seja rico, seja pobre, seja branco, seja preto, seja intelectual ou burraldo...O que devemos atentar, é para o momento, o agora!
O presente é tudo o que temos e já que muitos se preocupam tanto com o futuro, comecem a se preocupar em como estão administrando seu presente, pois ele sim é a garantia do teu amanhã.
Está incomodado com seu presente? Mude-o quantas vezes preciso for! Reinvente-se, tente, ouse, grite, rebele-se e cative. Faça seu presente, o poder é seu. Pense que amanhã pode ser requerida tua alma.


"A vida é agora, aprende!"







Caio Fernando Abreu


Considero sim um texto agressivo, agressivo na reflexão, por mexer com morte, e para a morte nós ainda não demos jeito...Mas, diante de tanta coisa que vi acontecer com pessoas queridas e mesmos as conhecidas mais superficiais, nesta semana me fizeram pensar isso. Levamos uma vida tão louca e tão corrida, mal atentamos para seu real sentido, FATO É: a vida passa num instante...
Peço a Deus que tudo corra bem  que seus milagres se multipliquem na vida dessas pessoas...Eu tenho visto isso, já com os olhos da fé! 


Ana Paula Duarte.

Comentários

Daniel Savio disse…
Vivermos é urgente, pena que temos uma vida baseada em felicidade, amor e dar importância as amizades parece que não tem prioridade em nossa vida...

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.
Deus que me livre disso, amo a vida, quero vivê-la cada vez mais intensamente.

Um abraço primaveril pra vc amiga.

beijooo.
Rodrigo Garcia disse…
Ninguém no leito de morte reclama dos investimentos não feitos ou do carro novo que não pôde comprar, mas sim dos abraços não dados, do por do sol não visto e das pazes não feitas. Devíamos aprender a usar a única certeza real que temos a nosso favor, pois amanhã pode ser tarde demais.

Beijos
Anísia Neta disse…
Passamos pela vida e queremos vivê-la da melhor maneira possível. No caminho, muito fazemos, muito acertamos e muito erramos... Mas em tudo, o importante é aprendermos, e continuarmos sempre aprendendo. Porque da vida o que somos é aprendizes, caminhantes, peregrinos. "Viver como se não houvesse amanhã", só vale se formos responsáveis com nossa própria liberdade! Só vale se for para amarmos mais e melhor!
Gostei mto Ana!! Gostei do seu comentário tb Rodrigo!
Bjss Nega!!
Em uma de suas palestras na Bienal, aqui em Maceió, depois de ter falado muito, Rubem Alves baixou a cabeça e silenciou. Depois de vários segundos ele levantou a cabeça, olhou pra nós (percebemos que ele estava pra dizer algo muito sincero) e disse: "É preciso fazer amor com a vida". Ana, você me lembra Rubem Alves. Um beijo, moça. Parabéns por essa cabecinha maravilhosamente vermelha, inteligente e muito gostosa (rsrs).

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta