Nebulosa de Órion

imagem do google


De vapor e poeira 
Infindos
Tóxicos,
Psicodélicos fissurados
Coloridos e enternecidos,
Com seus odores
Aturdidos 
Fundiram-se ao branco e preto
e
Num rastro louco e desvairado
Surgiu no Universo 
Onde não brilhava nada 
e
Uniu
Difundiu
Transpassou
Partiu...
E a nebulosa brilhante surgiu
A me confundir
A me impedir a visão
A me limitar
A invadir meu Universo
Inverso
Tão linda
Perigoso engano
Mancha difusa
Linda
Mancha
Eu a vi com meus próprios olhos,
Pude até tocar
Lilás?
Esplêndida!
A maior
e
A mais brilhante entre todas
E ao seu redor brilham outras
Outras tantas!
Que invejam o seu brilho
Eu aqui, a milhares de anos luz
Queria tocá-la!
Sei que despedaça
Pois é frágil areia,
Adveio do colapso estelar.




Ana Paula Duarte. Sinto que alguma coisa devo aprender com ela...

Comentários

Caros leitores e amigos,

Vos deixo com esta postagem iluminada, pois estarei ausente do blog por um tempo determinado.Preciso organizar algumas coisas e principalmente porque no momento tenho algumas prioridades urgentes. Agradeço por cada presença aqui e vos desejo muita luz.
Até breve, abçs,

Aníssima.
C@urosa disse…
Olá querida amiga, Aníssima, para muita reflexão esse seu belo poema, parabéns, paz e harmonia e um breve regresso.


forte abraço

C@urosa
João Gilberto disse…
Como disseram no comentário acima, belos versos.

Até mais doutora.
Daniel Savio disse…
O universo é realmente vasto e nós chegamos ser apenas algumas poeiras dele em meio a atribulado vida que temos...

Então trate de se cuidar menina =P

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.
Dayane Carneiro disse…
Profundo e real! Aproveite esses momentos, amiga p fazer uma das coisas q vc mais sabe: escrever! Uma coisa teria q ser boa, ao contrário seria ele um monstro perfeito e como nada é perfeito, tal ser te deixa inspirada a textos perfeitos como este. Parabéns!
Gutox disse…
Eu não digo mais nada aqui...to ficando sem palavras toda vez que leio algo neste blog...
muito mas muito bom mesmo!
Marcos Fellipe disse…
Gostei do texto caosmótico... sua cara... Sentirei falta de vc por aqui... Bjooo...
paula disse…
Bem hermético!!!
Mas é de família né?
gostei muito querida. Siga em frente.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

Escreva, Ana!

O olhar de Margot sobre a vida adulta