Deixe-me!



Deixe-me, sim deixe!
Deixe que eu sinta por completo
Deixe que eu me jogue no fogo
Não, não eu não vou -me queimar

Tire de mim essas armaduras todas,
Não suporto este peso!
Deixe que eu vá sem nenhuma...
Cicatrizes? Estão todas aqui
Mas não doem, são apenas para lembrar das traquinadas...
As dores? Já se foram há tempos...
Então, deixe-me ir
E me aventurar nesta empreitada
Me refastelar no relento da vida
Deixe-me sentir novas sensações
Experimentar novos sentimentos
Chega deste solilóquio complacente!
A Primavera se vai...
Deixe que meu Flamboyant floresça,
Pois quero sim,
Me esconder da quentura do sol
Bem debaixo das suas folhas.
Deixe-me ser humana,
E derreter este gelo ao proferir palavras de amor
Sei que de alguma maneira nos aquecerá. 




                                                            Imagem do google

Ana Paula Duarte. Prometo que nas férias, darei mais atenção ao blog...Fico grata por ter mais leitores que comentaristas. Obrigada!

Comentários

HSLO disse…
Poema lindo.

Te desejo um ótimo final de semana.

abraços
de luz e paz
Léo disse…
Deixe-me arriscar, errar, sofrer, crescer e ser mais... Deixe-me pular e não coloquem nenhuma cama elástica abaixo de mim; preciso sangrar pra sentir que vivi... Por favor deixe-me.

Anissíma, amei esse post, ele me deu up para a liberdade de tentar ser nas adversidades e descaminhos da vida. Obrigado... bjão!!!
Pena disse…
Estimada e Brilhante Amiga Simpática e Sublime:
"...E me aventurar nesta empreitada
Me refastelar no relento da vida
Deixe-me sentir novas sensações
Experimentar novos sentimentos
Chega deste solilóquio complacente!
A Primavera se vai...
Deixe que meu Flamboyant floresça,
Pois quero sim,
Me esconder da quentura do sol
Bem debaixo das suas folhas.
Deixe-me ser humana,..."

É a perfeição em pessoa quando escreve assim com ternura, beleza e encanto.
Parabéns sinceros. É doce e divinal.
Bem-Haja, pelo que expressou no meu blogue.
O seu cintila de deslumbre e maravilha. Encanto e ternura é o que há mais.
Abraço amigo de respeito.
Sempre a estimá-la e a admirá-la

pena

Tem um blogue lindo.
Adorei, preciosa amiga de encanto.
É notável.
Tamarinda disse…
E quando escreve assim tirando tudo o que há de mais intenso e de mais Aníssima é quando mais gosto do que escreves...
E olha: "Deixe-se"

Abraços calorosos...
Dayane Carneiro disse…
O que, né? Falar o quê? Vivência, realidade, VIDA tudo misturado em um resultado da mais perfeita expressão como poesia!PERFEITO, Ana! Muito perfeito mesmo!
Gutox disse…
"Deixe-me ser humana,
E derreter este gelo ao proferir palavras de amor"

Caramba isso sim que é talento viu!
Muito mas muito bom mesmo!
Gosto da sonoridade dos versos, a repetiçao do "deixe" que encontra ecos em palavras como "debaixo".
paula disse…
Quanta evolução de vida e de escrita podemos acompanhar em você Aníssima e quanta alegria e vontade de viver, sei que os medos do futuro sempre existem, mas você vencerá pois o medo não te vence, você é guerreira.
Linda poesia, nos encoraja para a vida.
Bjo.
Anísia Neta disse…
"Deixo-te!!
Não sem dor...
Mas deixo-te!!!
Para ser livre e voar!!
Para que as cores de suas asas fiquem cada vez mais vibrantes!!
Para que pense sempre mais em você!!!
Para que me encante novamente...
E sempre...
E sempre...

E em cada verso seu,
eu voltarei!!
E não deixar-te-ei jamais!!!"

Amo muito vc Aníssima!!! Cuida bem de ti viu?

Parabéns pelo poema!!!
Pessoas da minha vida, obrigada pela atenção que vcs tem ao me ler! A todos o meu mais sincero agradecimento.
Anisíaca, adorei seu poema, vc é pura poesia, mulher, amo vc, viu? Siempre! Obrigada por fazer parte de miim!
Sonhadora disse…
Minha querida

Quantas vezes nos sentimos assim querendo voar...apenas.

deixo o meu carinho e um beijinho
Sonhadora
Daniel Savio disse…
Uma vida livre para ser feliz e criar mais felicidade...

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

Escreva, Ana!