As lentilhas

Tenho trocado as promessas,
Todas as verdades, todo o real sentimento,
Por um prato de lentilha,
Que mata minha fome por tão pouco tempo,
Logo, a fome volta...
As lentilhas não têm -me saciado!Eu sei a verdade, mas prefiro brincar de fingir que não.
E assim eu assino minha sentença de infelicidade,
Queria mesmo é poder ver além de todas as coisas
Acção e pensamento...
Já não tenho todo o tempo do mundo,
Já sei o que devo fazer.
Mas eu não quero!
Permaneço errante, permaneço ao "léu"...

Na busca do céu encontro o inferno
E assim vou seguindo trocando meus valores,
Deixando de lado as promessas,
Tudo por um prato de lentilha,
Que mata minha fome...
Por tão pouco tempo! 
 

Ana Paula Duarte

Comentários

gutox disse…
Você escreve muito bem,mas quero te falar uma coisa...
continue escrevendo bem....
ja sou teu fã menina....o numero 1 viu
primeirão de todos!!!!!!
rsrs
beijão(na boca)rs!
fui!!!!
PS: VC tem talento!
Oi amiga!!!
Amei seu espaço!!!
Te adicionei a meus favoritos!!!
Aguardo sua visita!!!
Beijos!!!
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Hum...
Espero q seja mais um eu-lírico mesmo amigaaaaaaaa!
O texto é poeticamente bonito, mas prefiro q seja da Fabíola mesmo...
Esse negócio de pratos de lentilha realmente são fascinantes...E destrutivos cm veneno!
um xero poetiza!

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta