Implícito






Olhavam e não enxergavam,
A beleza das pedrinhas por baixo do rio.
Um dia, um menino de olhos iluminados
Viu reluzir
Abaixou-se humildemente
E meteu as mãos na água.
Era ouro puríssimo, de valor imensurável
E toda a campina 
Se ouriçou ao descobrir
Que todo o tempo, o ouro esteve ali, 
Em meio a outras pedras, disfarçado e comunal.
Porém, bastou olhos iluminados de menino,
Para tal descoberta descomunal.


Ana Paula Duarte

Comentários

Sonhadora disse…
Minha querida
Um texto para reflectir...temos que perservar o que nos resta, adorei.

Beijinhos com carinho
Sonhadora
C@urosa disse…
Olá querida amiga, sempre com poema sensíveis e reflexivos. A inspiração sempre presente em seu inteligente blog. Paz e harmonia e muita alegria em sua vida.

forte abraço

C@urosa
Uma boa reflexão...

Bom domingo amiga.

beijooo.
Daniel Savio disse…
Mas um tesouro nem sempre tem um valor real mensuravel, mas as vezes basta nos fazer feliz...

Fique com Deus, menina Anissima Duarte.
Um abraço.
paula disse…
Que maravilha!
Nossa, e quantos tesouros a gente acaba deixando passar despercebidos e nos esbarrar e só depois enxergar seu brilho, pensei em tantas coisas que eu achei desimportantes e hoje sinto falta, das pessoas que eram reluzentes e eu deixei.
Lindo texto Ana.
Aline disse…
Sim uma maravilhosa reflexão amiga. Que bom que somos tesouros valorizados.
Dayane Carneiro disse…
Encontrar tesouros que realmente emitam valor, de grande estima sentimental! Coisas q nos importe e nos faça feliz assim, simples e lindamente poetico! Adorei!
Gostei, por isso fiquei, se você gostar também pode ficar seguindo meu blog, pra mim será uma honra, aguardo por você, um abraço.

http://joseluizbans.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta