Aturdidos- sobre Ana e Wandson**

Pessoal, o texto abaixo compõe uma série quase mágica, denominada "Aturdidos - Sobre Ana e Wandson".Bom, o aspecto mágico da série reside no fato de que os textos que a compõem foram escritos praticamente ao mesmo tempo, tanto por mim, quanto por Ana, em locais diferentes e sem comunicação alguma. Após finalizados, percebemos que versavam sobre questões muito próximas e que possuíam o mesmo efeito em nossas mentes: o aturdimento. Falamos dessa singularidade na produção e decidimos por fim, mostrá-la como se vê abaixo... Dupla postagem!
Atenciosamente, Wandson Passos.

Aos escritos!


Mudanças

Quando se fala em mudança, nós logo fazemos aquela cara de sofrimento, entortamos algum membro da face para mostrar nosso desdém.Mudanças não são fáceis, ninguém gosta delas, mas são inevitáveis, caso contrário permaneceríamos na estagnação.Mas a pergunta que quero fazer é por que elas nos incomodam tanto?E já adianto a resposta, a minha resposta:porque elas nos desestabilizam e tudo que eu gosto é ter o controle da situação, pelo menos no que diz respeito a minha vida.Sempre quando escrevo, passo para o papel a minha insegurança, minhas inquietações e questionamentos, minha lista de perguntas é interminável, os leitores podem observar isso lendo minhas postagens antigas, sempre cheias de perguntas, anseio por saber.
Como devo lidar com uma sucessão de mudanças que vêm acontecendo em minha vida?É a pergunta que me aturde.Por influência de outros ou não, elas surgem e me deixam muitas vezes desbaratinada, perdida em pensamentos, perdida em mim mesma.E eu que tinha tantas certezas, tantas ideias, construções que eu pensava estarem sólidas...Caíram por terra!Isso é difíiicil, mas, que bom por isso.É renovação!Agora, eu preciso me acostumar a essas mudanças e consequentemente acostumar os meus.É estranho ver que todos notam e perguntam os motivos...Eu achava mesmo que havia um motivo central para isso, mas, eu só achei...A verdade é que a mudança era necessária e se fez, naturalmente.Não adiantou ninguém me falar para mudar, argumentar e argumentar...Aconteceu e pronto.E agora eu fico aqui pensando, se a Ana de antes não era mais feliz, mais alegre, mais louca, mais fera, mais irracional, mais bêbada, mais escritora...Acredito que sejam questionamentos comuns e que posso passar a vida inteira olhando para trás, ou tentar voltar a ser aquela Ana novamente, mas será frustrante...Ou, posso simplesmente tentar me acostumar com essa nova, mais comedida em palavras, atitudes, mais observadora, menos festeira e muito mais chata.Há quem goste, haverá quem odeie, só não posso, não consigo e nem quero ser a mesma...Porém é preciso, é constante esse processo de aceitação e eu já aviso, mais mudanças virão, porque permanecer quadrada, parada, com roupas usadas, ideias usadas sempre não faz bem, não cabe para a vida que eu escolhi viver.
Sinto que se multiplicarão, isso é fato, pois, estou sempre em contato com pessoas e lugares sofrendo influências mesmo que eu não queira e atrelado a isso, ainda tem o meu próprio interior...Ele clamava por mudanças, que eu, muitas vezes não quis ouvir.Permanecia irredutível em minha ignorância, insistindo "eu sou assim e pronto".Porém agora me sinto mais a vontade para encará-las, mais forte para colocar em prática cada uma delas, as que me são necessárias, as que me fazem bem e de certo sei que minha essência, essa permanecerá imutável e somente minha sempre, recusando imitações, não há como perdê-la e era esse meu grande medo ao permitir mudanças, o medo de perder a originalidade, mas, que ignorância, jamais a perderei, meu brilho é único.
Para finalizar, deixo aqui uma frase quem tem sido meu "versículo do dia-dia" ultimamente:

"Não somos o que gostaríamos de ser.
Nós não somos o que ainda iremos ser.
Mas, graças a Deus,
Não somos mais quem nós éramos."

Marthin Luther King.


Acho que a frase sintetiza tudo.

Ana Paula Duarte, uma eterna aprendiz e agora, por escolha própria!
E que venham mais textos aturdidos, pois creio que toque a todos, pois são questionamentos cotidianos, comuns a jovens como nós, em fase de aprendizado...



É sobre mim, mas pode ser sobre você

De repente me vejo na necessidade de escrever. Nunca antes possuí tal necessidade, mas dizem os mais estudiosos de nosso tempo, que uma de suas características é a criação de necessidades que justifiquem o uso de tantas ferramentas. Há algum tempo as estas eram criadas em função daquelas.


E por falar em necessidades, poderia elencar uma extensa lista das quais vem tratando meu pensamento dia após dia, tais como emprego, casamento, moradia, transporte, mas atenho meu foco a apenas uma: a necessidade de projeção. Esta, acima de todas as outras, tem tomado, de fato, minha atenção.


Veja bem: ao longo de minha vida fiz o que quis, como quis. Minha família, na medida do possível, me concedeu o que chamaria de liberdade orientada. Poderia ir para onde quisesse desde que esse destino fosse encarado como, ao menos, interessante pelos meus pais. Assim foi que cheguei onde estou hoje. Diria, até, que foi uma boa chegada. Melhor ainda o percurso.



Não sei exatamente se é a hora de por a bagagem no chão e ver o que consegui, ou se devo seguir em frente com as forças que restam em busca de mais. Não sei. E é essa a dúvida que me aturde.


Posso muito bem imaginar que não é apenas uma condição particular de minha existência, pois vejo aos montes, pessoas alegando desorientação nessa mesma fase da vida. Imagino também que posso passar ainda anos sem projeção alguma e deparar-me diante de uma situação inusitada independente de projeções. Mas o amanhã... ah! o amanhã. Quão horrendo me parece. Chega a lembrar os monstros cabulosos que ocupavam as sombras de meu quarto em dias de pouco sono.


No fim das contas ainda outro pensamento surge "de tabela": pra que, nessa vida, devo pensar tanto no futuro? Confesso que, pensando nele e agindo, cada conquista mostrará quão planejada foi cada atitude. Mas isso significa que devo pensar no futuro tal como vivo meu dia de hoje???



AHHHHH!


Quanta pergunta!!!


AHHHH!



Chega.
Wandson Passos.

Comentários

Meridiana disse…
Oi...
gostei do blog,
textos interessantes...


ps.: não sabia que tu era assim sabida,rs.
Meri.
DKF disse…
Meu Deus do céu!!!!!!
E eu aqui mim perguntando de como foi que, o por que de tanta mudança...Isso pega geral mesmo...Passei a semana revendo tudo o que eu fiz pra chegar até onde estou e correndo de certas "dessistabilização" (ta errado mesmo)

Enfim por mais experiência de vida que tenho ainda não sei lidar com isso...

Valeus moços!! =D
Túlio Barros disse…
Gostei do blog! No dia em que um humano não se sentir aturdido não será mais um humano e sim uma máquina programada.

Mudança é o meu sobrenome de uns cinco anos pra cá, mas aprendi a lidar com elas e até mesmo a gostar, juro! E digo mais: não seria nem metade do que sou hoje se não fosse as benditas mudanças (se isso foi bom ou ruim, só o tempo dirá com a próxima mudança, que certamente virá).

Não digo que sou feliz, mas também não digo que sou triste; levo a minha vida de um jeito que me deixe à vontade. Se o meu sonho não se torna realidade, então faço com que a minha realidade torne-se um sonho. E assim vou vivendo, por mais que esteja atualmente aturdido (e quem me conhece bem sabe que estou, e muito).

Parabéns pelo blog! \o/
*kah* disse…
nossa amei... se isso ñ for tudo que eu sinto nem sei o que eu digo! rsrs axava que so eu era louca por pensar assim...
é muito bom saber que minhas ideias realmente tem sentido e que o que penso ñ é bobagem que tbm esite gente que pensa como eu! nossa me pelo de medo de mudanças, e sempre tive medo de mudar pensando que iria perder meu brilho i minha essencia e a pouco tempo xeguei nessa mesma conclusão que vcs chegaram e isso é fantastico! me sinto extremamente feliz de saber que existem pessoas como vcs que pensam como EU!
bjs pra vcs...
por: karina silva *-*
ONG ALERTA disse…
um feliz dia das mães, paz.
Ana Paula Duarte disse…
Acho que já me esvai de palavras em relação ao tema, isso se pode ver pelo tamanho do texto, rs.Mas o que eu quero falar é sobre a forma engraçada como tudo se deu, como depois dessa postagens várias pessoas se pronunciaram sobre o tema, me disseram suas inquietações.
Abraços a todos.
Continuemos...
André do Carmo disse…
Todos os temas, pessoas falam suas opiniões sobre...este é um tema comum a vida humana e todos tem algo a falar sobre ele, afinal todo mundo muda...mas este é um fator comum a maioria os temas publicados, uns a favor e outros contrários onde uns são mais comuns, outros chamam mais atenção, enfim, este tem um ar especial, pois dá margem para o leitor meio que entrar na sua mente, na sua cabeça, na sua vida. Ele se sente participativo e convidado a expor a sua mente, a sua vida... :D
Beto Lopes disse…
Aturdidos- sobre Ana e Wandson**, a nova série de sucesso, na blogosfera. Legal a idéia. Tô por aqui, acompanhando.
Daniel Savio disse…
Mundança, se acostuma, ou é destruida por ela...

Fiquem com Deus, menina Ana Paula Duarte e menino Wandson.
Um abraço.
Um caro cidadão disse…
Fico muito feliz em ver o retorno aos textos publicados.


Vejo que caminhamos bem, que não somos perdidos.




Abraço a todos e todas!
Aline disse…
Chegamos a projeção quando algo nos diferencia dos demais.Pelas aqui descritas posso perceber que os escritores deste blog possuem um k' sui gerenis.
Ana Paula Duarte disse…
Ah, o time de colaboradores não é como a seleção brasileira nãao, aqui só tem craquee!
shushushushs.
Obrigada e abraços.
arnaldo_adm disse…
Mudanças te fizeram bem Ana, fico feliz de voltar aqui e ver isso.
bjão.

Postagens mais visitadas deste blog

Término Pós- moderno de um idílio amoroso

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta