Aturdidos- Ana Paula Duarte, Procurando o que é amor.


A série Aturdidos retoma a discussão sobre a definição do amor, agora na visão de Ana Paula Duarte.
Vamos a ela!



O que é amor?

Nossa, quanta gente pergunta isso... E lê, se debruça sobre livros, pensamentos, filosofias, posturas, é tanta coisa, mas parece que quanto mais se faz isso, mais longe se está de respostas.
Amor e amar é SENTIR, amar é CEDER quando nunca se havia feito isso, é MUDAR para se adequar aos moldes do outro, é ARRISCAR ainda que haja demasiado medo da decepção. Amar é deixar ser, é não estar preso a mágoas do passado. Mas vejam o que estou fazendo aqui... Estou tentando dar definição ao indefinível... Como se eu fosse descrever a cor do céu para um cego... Quem ama sabe bem o que é amar e suas implicações e toda sua plenitude, porque amar é plenitude e plenas são as pessoas que se entregam a este sentimento. Por mais sofridas que sejam, por mais que nada tenha sido como se esperou, algo de bom e de pleno lhes é reservado, pois pouco são os corajosos que se empenham no ato de amar, porque amar é também ATITUDE, e mais anda ainda, amar é ter FÉ.
Falar de amor não é difícil, difícil é falar a verdade sobre o amor e difícil é perceber que nele não há perfeição, busca-se, tenta-se e isso é feito por ambos.
Me ocupei em falar de amor entre um casal, porque este em mim superabunda, mas não posso esquecer das outras e várias formas de amar... Amar a Deus, a vida, a si mesmo, a sua família, ao seu irmão, a seu próximo (o ser humano), a natureza...
E foi com base no que escrevi aqui e no que pensei para tanto, que eu chego a conclusão de que sabemos ainda muito pouco sobre o amor e o ato de amar, talvez por isso a constante busca por uma definição fixa, como se ela fosse nos ensinar a lidar melhor com este sentimento.
Um substantivo tem uma definição, uma adjetivo também, um verbo... Somos sempre levados a isso, buscar nomenclaturas e conceitos para as coisas... Mas arrisco dizendo que a definição do amor é senti-lo.

Sem mais por hoje,

Ana Paula Duarte.
Observação: a flor da imagem ainda é a espécie denominada amor-perfeito.

Em breve novos posicionamentos sobre o tema.

Comentários

Beto Lopes ø disse…
Mais uma vez, eu invoco o Renato Russo. Quem inventou o amor??? Explica por favor... rsrs

Agora deixa eu terminar de ler. A idéia que passa, é que não tenho opinião própria e me baseio na tese dos outros. Sabe o que eu quero? Te confundir... rsrs
amei lindoo ana ,sem amor no samos nada nessa viida
Beto Lopes ø disse…
Quem sabe explicar o amor, não ama. Pois o amor, foge de todas as explicações...

Sem mais, até a próxima. Um abraço pra vocês! ;)
BB disse…
Amor é a especie mais abundante no mundo quando uma pessoa para pensar que ele pode está instinto outra se delicia com sua varias faces
Um caro cidadão disse…
Nem posso falar de amor: com o tanto que carrego, qualquer fala é tendenciosa.



Texto massa, Ana.


Parabéns!
André do Carmo disse…
Muito bonito texto, falar de amor não é dificil, porque assim como qualquer sentimento é subjetivo...mas conceituar algo subjetivo, isso é muito difícil.
No meu orkut eu tomei a liberdade de conceituar um "par perfeito" e disse que: "Todas as oportunidades são perfeitas enquando dela queremos e nos sentimos completos, quando os propósitos são os mesmos e o molde aos poucos vão se ajustando."

Vejo um pouco disso neste texto.

Mto bom.

P.S.: Com relação as orquídeas elas são consideradas as orquídeas-amor-perfeito, pela semelhança de suas flores com o amor-perfeito, são orquídeas epífitas e delicadas.
Epífitas, porque nascem sobre outras plantas (nascem, se apoiam, e se nutrem do outra) e delicadas porque são muito sensíveis à interferências do ambiente.
Assim como o amor-perfeito
Ana Paula Duarte disse…
Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;


É um não querer mais que bem querer;

É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;

É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camôes \o/

Uma antítese hiperbólica que dispesa definições...

Obrigada pelos comentários pessoal!
Abraços.
Anônimo disse…
Oii!
Faço parte de uma rede de blogs de amigos e entrei no seu por acaso, quanta qualidade vejo aqui, textos muito bem estruturados e uma visitação constante!
Parabéns.

"O AMOR É A ASA QUE DEUS DEU AOS HOMENS..."

www.ambientedeleitura.blogspot.com
Sérgio Cunha
Daniel Savio disse…
E de tudo, cada um vai sentir o amor de um forma diferente...

Fique com Deus, menina Ana Paula Duarte.
Um abraço.
lis disse…
oi AnaPaula
Dificil descrever o amor, sabemos senti-lo rs essa é mesmo a boa definição.
Muito bom o texto.
abraços
Bleffe disse…
Participe da campanha "Música em troca de Fraldas", que visa ajudar às crianças desabrigadas pelas chuvas no RJ:

Música em troca de Fraldas
Gutox disse…
Como se eu fosse descrever a cor do céu para um cego...
É exatamente isso que acontece quando se tenta descrever o amor
é uma das questões que mais aflige o homem...só que a resposta está dentro de cada um de nós.
Parabéns ao belo texto muito mas muito bom mesmo!

Postagens mais visitadas deste blog

O olhar de Margot sobre a vida adulta

O Profeta